Frota de aeronaves de companhias do Brasil é uma das mais jovens do mundo

Frota de aeronaves de companhias do Brasil é uma das mais jovens do mundo

Média de idade dos aviões das quatro maiores empresas nacionais é de 6,7 anos de uso, cinco a menos que a média mundial

Demanda doméstica do transporte aéreo cresce 4,5% no acumulado do ano
Demanda por voos domésticos em cai 5,47%
Aviação doméstica brasileira transportou cerca de seis milhões de passageiros em fevereiro

aeroporto-aereo-manaus

As fundadoras da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), Avianca, Azul, Gol e Tam, juntas, contam com uma das frotas mais jovens do mundo. A média é de 6,7 anos de uso, cinco anos menos que a média mundial, que é de 11,7 anos.

A análise da associação utilizou como fonte uma série de dados da ICAO (sigla em inglês da Organização Internacional de Aviação Civil) e do portal Airfleets.net. O estudo priorizou empresas de capital aberto e que fossem representativas em seu mercados de atuação.

“Esse tipo de frota traz uma série de benefícios para seus operadores, como motores mais econômicos e eficientes, menos ruidosos, com custo de manutenção mais baixo e emissão de poluentes inferior”, comenta o consultor da Diretoria de Segurança e Operações de Voo da Abear, Paulo Roberto Alonso.

Por outro lado, os aviões novos têm custos de leasing e depreciação maiores do que os com mais tempo de uso.

O mercado brasileiro de transporte aéreo investe pesado em novos equipamentos, principalmente pelo elevado custo que tem o querosene de aviação, em decorrência da alta tributação que sofre no País. Hoje, o combustível é responsável por 38% dos custos de operação das empresas nacionais.

“A companhia avalia o cenário operacional em que atua para verificar qual prática é mais vantajosa em cada mercado. Nos Estados Unidos, por exemplo, os custos com combustível e manutenção são muito menores que os brasileiros, o que justifica que uma frota com renovação menos frequente”, afirma o consultor da Abear, Maurício Emboaba, responsável pelo estudo publicado no Panorama.

COMMENTS