Impostômetro atinge a marca de R$700 bi

Impostômetro atinge a marca de R$700 bi

Arrecadação foi alcançada três dias antes do que no ano passado; Produtos consumidos durante a Copa não escapam da alta tributação

Arrecadação do governo federal com tributos registra queda de 15,5% em maio
Estudo da IBPR aponta que brasileiro pagou R$ 1,85 trilhão de impostos nos últimos dez anos
Impostômetro registra marca de R$ 1,4 trilhão arrecadado

impostometro-site-700

O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) atingiu a marca de R$ 700 bi de arrecadação, nesta segunda-feira (09/06). A quantia representa o valor gasto pelos brasileiros para pagar impostos taxas e contribuições para a União, estados e municípios. Em 2013, o mesmo valor só foi alcançado no dia 12 de junho.

“Mesmo com a desaceleração da economia, a arrecadação do governo federal vem crescendo acima da inflação – e apesar das desonerações ainda existentes. Infelizmente, vemos que as despesas de custeio aumentam e os investimentos estão contidos. Enquanto não houver maior controle dos gastos, os aumentos da receita não serão canalizados para os investimentos necessários para reduzir pontos de estrangulamento que desestimulam ou inviabilizam a expansão do setor privado”, afirma o presidente da ACSP, da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo) e presidente–interino da CACB (Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil), Rogério Amato.

No portal do Impostômetro (www.impostometro.com.br) é possível calcular quanto o indivíduo paga em impostos sobre seu salário, patrimônio e consumo. E descobrir, também, o quanto a população de cada estado e município do País desembolsou em tributos.

Impostos na Copa

O levantamento feito pela ACSP aponta também os impostos nos principais produtos consumidos durante a Copa do Mundo. O destaque de maior tributação é do chope, com 62, 2% de seu preço final revertido para a arrecadação. Outros artigos que se distinguem pela carga de tributação são os fogos de artifício (61,56%), bola de futebol (46,49%), refrigerante (46,47), amendoim (36,54) e camisa de time e seleções (34,67%). Os dados são do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), que abastece o Impostômetro.  (veja a tabela)

tributação-impostos-produtos-copa

COMMENTS