Estudo aponta fragilidade na segurança de informações fiscais de empresas

De acordo com o IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), 47% das companhias envolvidas na pesquisa têm um sistema de segurança inadequado

MAN Latin America abre inscrições para programa de estágio 2012
Antaq aposta em estudo para fomentar transporte hidroviário
MAN apoia estudo sobre mobilidade urbana em todo o mundo

nota-fiscal-eletronica

Segundo estudo do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), empresas do Brasil são vulneráveis em relação à segurança de suas informações fiscais. A pesquisa que envolveu um universo de 121 mil estabelecimentos em todo o País detectou que 47% das empresas têm um sistema de segurança inadequado.

A pesquisa foi realizada tendo como base mais de 50 milhões de Notas Fiscais Eletrônicas, emitidas por estes 121 mil estabelecimentos, como forma de subsidiar o desenvolvimento de sistemas de identificação dos tributos na notas e cupons.

A primeira conclusão do estudo está relacionada à extrema fragilidade com que as empresas guardam e mantêm seus arquivos eletrônicos de notas fiscais: 47% das empresas analisadas têm baixo grau de segurança das suas informaçõ es; 35% têm grau médio de segurança; enquanto somente 18% das empresas possuem elevado nível de segurança.

A metodologia utilizada para aferir o grau de segurança da guarda das informações fiscais foi feita a partir das validações de segurança e exposição das Notas Fiscais Eletrônicas. A partir desta análise, foi possível verificar se a empresa tem maior ou menor preocupação com o sigilo das suas informações, já que no arquivo XML da NF-e estão contidas informações sigilosas como nome, endereço, e-mail e telefone dos clientes, discriminação das mercadorias vendidas, valor unitário e condições de pagamento da transação.

“O resultado assustou os técnicos envolvidos na análise, pois demonstra a fragilidade na segurança das informações motivada, principalmente, pelo complexo sistema tributário brasileiro”, disse o presidente do Conselho Superior e coordenador de estudos do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral.

O estudo do IBPT aponta, por exemplo, que boa parte das NFes está arquivada em extensões dos próprios sites das empresas, sem qualquer exigência de login e senha para acesso às informações.

COMMENTS