Porto do Itaqui (MA) promete mudar eixo da exportação de grãos do País

Com a construção do Terminal de Grãos do Maranhão (TEGRAM) o Porto pretende receber 11,5% da produção nacional de grãos, tornando-se o 3º maior do Brasil no segmento

Gafor e Norbert Dentressangle criam novo operador logístico no Brasil
PAC 2 terá investimentos de R$ 3 bilhões para armazenagem de grãos
Escoamento da safra preocupa

O Porto de Itaqui, em São Luís, no Maranhão, inicia hoje (07) a construção do Terminal de Grãos do Maranhão (TEGRAM). Com inicio das operações previsto para o final de 2013, o Itaqui pretende ser um dos portos brasileiros com maior capacidade instalada para armazenagem e exportação de soja, milho e farelo.

A obra permitirá que a capacidade instalada do porto passe dos atuais 2,5 milhões de toneladas de grãos/ano para até 15 milhões de toneladas/ano até 2020, o equivalente a um terço da capacidade instalada para exportações de grãos pelos portos do Norte e Nordeste.

Hoje, cerca de 80% da soja exportada pelo Brasil sai pelos portos de Paranaguá (PR) e Santos (SP. Quando o TEGRAM estiver operando em sua capacidade plena, cerca de 11,5% da produção de grãos do país vai passar pelo Itaqui, o que posicionará o porto entre os três maiores do país, afirma Luiz Carlos Fossati, presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP).

O Porto de Itaqui também finalizou a construção de um píer petroleiro que aumentará em 40% a movimentação de derivados de petróleo.

COMMENTS