Conab anuncia construção de 10 unidades de armazenagem no País

Companhia Nacional de Abastecimento receberá R$ 350 milhões em investimento para obras dos novos armazéns

Petrobras vai investir R$ 140 bilhões no abastecimento do mercado interno de combustível
Postos Extra fazem parceria com o sistema Sem Parar
Petrobras aumenta o diesel nas refinarias em 6%

conab-armazenagem-obras

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) investirá R$ 350 milhões para a construção de 10 novas unidades de armazenagem dos estoques públicos no Brasil. A ampliação foi anunciada nesta terça-feira (4/6) durante a divulgação do Plano Agrícola e Pecuário 2013/2014, realizada no Palácio do Planalto.

Após as obras, a capacidade estática de armazenagem da Companhia passará de 1,96 milhões para 2,81 milhões de toneladas.

Para a viabilização das medidas anunciadas, a Conab irá contratar o Banco do Brasil para atuar na gestão e fiscalização das obras de construção e modernização dos armazéns.

“A iniciativa vai fortalecer a empresa para atuar de forma incisiva nos estoques e na regulação dos preços dos produtos, atingindo de forma positiva a população brasileira”, disse o presidente da Conab, Rubens Rodrigues dos Santos.

A iniciativa também visa ampliar a capacidade de atendimento aos programas sociais do governo e regular o abastecimento dos principais alimentos básicos, ampliando a oferta destes produtos e minimizando os riscos de impacto sobre a inflação.

Os novos armazéns serão construídos em Campina Grande (PB), Maracanaú (CE), Eliseu Martin s (PI), Petrolina (PE), Anápolis (GO), Viana (ES) Xanxerê (SC), Estrela (RS) Luís Eduardo Magalhães (BA) e em Itaqui (MA).

Além das novas unidades anunciadas, a Companhia irá destinar R$ 150 milhões para modernizar a atual rede de armazenamento existente. A expectativa da Companhia é que sejam reformadas 84 unidades.

“Esse número pode mudar, pois serão feitos diagnósticos para determinar se há necessidade de reforma ou não”, pondera o diretor de Política Agrícola e Informações, Sílvio Porto. “Em alguns casos, inclusive, pode ser ma is econômico reconstruir do que reformar”.

Entre as melhorias previstas para as unidades já existentes, estão a reforma das instalações internas e externas, a ampliação das capacidades com a troca de equipamentos mais modernos e a recuperação de outros.

COMMENTS