Conab anuncia construção de 10 unidades de armazenagem no País

Companhia Nacional de Abastecimento receberá R$ 350 milhões em investimento para obras dos novos armazéns

Etanol deixa de ser financeiramente vantajoso em 23 estados
Logística ruim pode deixar algumas regiões sem gasolina no final do ano
Distribuidora norueguesa de combustíveis marítimos aporta no Brasil

conab-armazenagem-obras

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) investirá R$ 350 milhões para a construção de 10 novas unidades de armazenagem dos estoques públicos no Brasil. A ampliação foi anunciada nesta terça-feira (4/6) durante a divulgação do Plano Agrícola e Pecuário 2013/2014, realizada no Palácio do Planalto.

Após as obras, a capacidade estática de armazenagem da Companhia passará de 1,96 milhões para 2,81 milhões de toneladas.

Para a viabilização das medidas anunciadas, a Conab irá contratar o Banco do Brasil para atuar na gestão e fiscalização das obras de construção e modernização dos armazéns.

“A iniciativa vai fortalecer a empresa para atuar de forma incisiva nos estoques e na regulação dos preços dos produtos, atingindo de forma positiva a população brasileira”, disse o presidente da Conab, Rubens Rodrigues dos Santos.

A iniciativa também visa ampliar a capacidade de atendimento aos programas sociais do governo e regular o abastecimento dos principais alimentos básicos, ampliando a oferta destes produtos e minimizando os riscos de impacto sobre a inflação.

Os novos armazéns serão construídos em Campina Grande (PB), Maracanaú (CE), Eliseu Martin s (PI), Petrolina (PE), Anápolis (GO), Viana (ES) Xanxerê (SC), Estrela (RS) Luís Eduardo Magalhães (BA) e em Itaqui (MA).

Além das novas unidades anunciadas, a Companhia irá destinar R$ 150 milhões para modernizar a atual rede de armazenamento existente. A expectativa da Companhia é que sejam reformadas 84 unidades.

“Esse número pode mudar, pois serão feitos diagnósticos para determinar se há necessidade de reforma ou não”, pondera o diretor de Política Agrícola e Informações, Sílvio Porto. “Em alguns casos, inclusive, pode ser ma is econômico reconstruir do que reformar”.

Entre as melhorias previstas para as unidades já existentes, estão a reforma das instalações internas e externas, a ampliação das capacidades com a troca de equipamentos mais modernos e a recuperação de outros.

COMMENTS