Investimento em política ambiental ajuda a reduzir custos e agrega valor ao produto

Advogada especializada em sustentabilidade ambiental explica de que forma as empresas conseguem diminuir os gastos mesmo destinando parte de seus recursos à preservação do meio ambiente

Banco do Brasil vai ampliar crédito agrícola em 10 bilhões de reais
ALL formaliza entrada no Novo Mercado da BM&FBOVESPA
Iveco encerra 2010 na quarta posição do ranking das montadoras de caminhões do Brasil

Nos últimos anos, a preocupação com o meio ambiente tem aumentado. Mas, destinar uma parte uma quantia da verba da empresa para a preservação dos recursos naturais significa aumento de despesa? “Não”, diz Edilaine Munhoz, bióloga, advogada e professora especialista em sustentabilidade empresarial. “Apesar de significar, em curto, prazo um custo para as empresas investir na proteção e na garantia de qualidade de vida, com toda segurança, este custo será infinitamente inferior ao valor da qualidade de vida e do bem-estar da humanidade”, complementa.

“Cuidado com meio ambiente não é apenas sinônimo de despesa, pois o gerenciamento ambiental também pode significar economia de insumos, maior valor agregado ao produto, novas oportunidades de negócios e boa reputação para as empresas identificadas como ecologicamente corretas”, diz a Edilaine.

De acordo com a advogada, uma política ambiental bem concebida pode ajudar a reduzir custos, assim como gerar benefícios, além de conduzir a segmentos de mercado especialmente rentáveis.

Mas como, exatamente, as empresas conseguem reduzir os gastos investindo em políticas de preservação do meio ambiente? “Ao optar pela implantação de um sistema de gestão ambiental (SGA), as companhias não recebem apenas benefícios financeiros, como economia de matéria-prima, menores gastos com resíduos, aumento na eficiência na produção e vantagens de mercado, mas especialmente no ramo de transportes, estão também diminuindo os riscos no gerenciamento adequado referente aos aspectos ambientais, como acidentes, multas por descumprimento da legislação ambiental, incapacidade de obter crédito bancário e outros investimentos de capitais, e perda de mercados por incapacidade competitiva”, explica.

Leia a entrevista na íntegra

COMMENTS