Audiência Pública discutirá decisão da Bolívia de legalizar veículos sem documentos

De acordo com um dos autores do requerimento para realização da reunião nesta terça-feira (23/8), país vizinho conta com mais de 128 mil automóveis em situação irregular

Gol inicia voos diretos entre Brasília e Cancún, no México
Aeroporto de Brasília (DF) ganha maior capacidade no sistema de pistas
Um terço dos paulistanos e cariocas passam mais de três horas por dia no transporte público

Será discutida nesta terça-feira (23/8), na Audiência Pública organizada pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, a decisão do governo boliviano de legalizar todos os veículos que circulam sem documentos naquele país.

Segundo o deputado Delegado Protógenes (PCdoB-SP), autor do requerimento para realização da reunião ao lado da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), a Bolívia conta com mais de 128 mil automóveis em situação irregular, a maioria com procedência do Brasil e da Argentina.

“No passado, o Paraguai tomou a mesma decisão e depois voltou atrás em razão do absurdo. Como é que você toma uma decisão de legalizar todos os veículos em circulação naquele país e sem documentação? Se está sem origem de aquisição, é sinal de que há suspeita de ter ocorrido algum ilícito na aquisição desse veículo ou alguma fraude. Muitos desses veículos foram roubados”, ressalta o parlamentar.

O presidente da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), Sérgio Reze, diz os veículos levados irregularmente para a Bolívia são trocados por armas e drogas. “O seguro do automóvel aqui no Brasil fica aumentado. Sabendo que o produto de roubo levado para outro país não pode retornar porque é legalizado, a seguradora, que ao final é quem paga por esse crime, vai aumentar o custo da apólice. É um processo perverso”, afirma.

Por outro lado, o deputado Chico Alencar (Psol-RJ) afirma que a decisão do governo boliviano está sendo mal interpretada. Segundo ele, o governo apenas deu prazo para os bolivianos providenciarem a documentação. “Não é nada de dizer que roubou, chega lá e fica tudo certo”, diz.

A reunião será realizada às 14 horas do dia 23/8, no Plenário 16.

COMMENTS