Audiência Pública discutirá decisão da Bolívia de legalizar veículos sem documentos

De acordo com um dos autores do requerimento para realização da reunião nesta terça-feira (23/8), país vizinho conta com mais de 128 mil automóveis em situação irregular

Jorge Yanai pede investimentos em infraestrutura de transporte
Aeroporto de Brasília (DF) ganha maior capacidade no sistema de pistas
Frente Parlamentar das Ferrovias promove seminário sobre necessidades do setor

Será discutida nesta terça-feira (23/8), na Audiência Pública organizada pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, a decisão do governo boliviano de legalizar todos os veículos que circulam sem documentos naquele país.

Segundo o deputado Delegado Protógenes (PCdoB-SP), autor do requerimento para realização da reunião ao lado da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), a Bolívia conta com mais de 128 mil automóveis em situação irregular, a maioria com procedência do Brasil e da Argentina.

“No passado, o Paraguai tomou a mesma decisão e depois voltou atrás em razão do absurdo. Como é que você toma uma decisão de legalizar todos os veículos em circulação naquele país e sem documentação? Se está sem origem de aquisição, é sinal de que há suspeita de ter ocorrido algum ilícito na aquisição desse veículo ou alguma fraude. Muitos desses veículos foram roubados”, ressalta o parlamentar.

O presidente da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), Sérgio Reze, diz os veículos levados irregularmente para a Bolívia são trocados por armas e drogas. “O seguro do automóvel aqui no Brasil fica aumentado. Sabendo que o produto de roubo levado para outro país não pode retornar porque é legalizado, a seguradora, que ao final é quem paga por esse crime, vai aumentar o custo da apólice. É um processo perverso”, afirma.

Por outro lado, o deputado Chico Alencar (Psol-RJ) afirma que a decisão do governo boliviano está sendo mal interpretada. Segundo ele, o governo apenas deu prazo para os bolivianos providenciarem a documentação. “Não é nada de dizer que roubou, chega lá e fica tudo certo”, diz.

A reunião será realizada às 14 horas do dia 23/8, no Plenário 16.

COMMENTS