Santander financia seis aeronaves para a Azul Linhas Aéreas em operação inédita no mercado

O banco deve adquirir seis jatos da Embraer via BNDES e alugar a frota à companhia aérea com 100% de crédito. O novo modelo deve beneficiar as duas empresas, além de gerar cerca de 400 empregos por avião

Azul vende bilhetes 36% mais baratos que ônibus
Azul entra para a ponte aérea com 34 voos diários entre SP e RJ
Passageiros aéreos devem ficar atentos ao fim do horário de verão

O banco Santander vai financiar seis aeronaves para a companhia Azul Linhas Aéreas Brasileiras, por meio do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento). O modelo vai permitir o financiamento de 100% do avião com custo competitivo.

A partir da operação inédita de R$ 250 milhões, denominada spanish leasing, o Santander deve comprar seis jatos 195 da Embraer com os 80% de financiamento do BNDES, e alugar a frota à Azul. A companhia aérea locará as aeronaves semestralmente por 12 anos, até cumprir o prazo de amortização do empréstimo junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento.

Vantagens

O novo modelo pretende beneficiar todas as partes do contrato. No caso da Azul, as vantagens estão no prazo alongado para o pagamento. Geralmente, as empresas aéreas precisam desembolsar aproximadamente 20% do valor total em financiamentos tradicionais. Com a participação do Santander, o crédito é de 100% do custo das aeronaves.

“O prazo alongado para o pagamento ao Santander e o fato de poder financiar 100% deixam o caixa da empresa mais livre para investir na expansão da frota, um dos seus objetivos no momento”, explica o vice-presidente financeiro da Azul Linhas Aéreas, John Rodgerson.

Para o banco, a operação vai permitir colocar em prática sua política de inovação e aprofundar o relacionamento com a Azul. “O Santander desenvolveu uma área de negócios especializada em financiamento para aéreas e é o único player a contar com uma estrutura assim. Isso nos ajudou a encontrar uma relação de ganha-ganha com a Azul”, afirma Maurício César Farias, superintendente executivo de Retail & Aviation.

Além disso, a aquisição da nova frota deve gerar 100 novas vagas de emprego diretas e 300 indiretas por aeronave.

Por Marília Brandão – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS