Relatório da Ferroeste levanta atual condição da linha férrea de Cascavel a Guarapuava, no Paraná

Balanço deve orientar a nova diretoria na recuperação da ferrovia contrabalanceando as questões econômicas e financeiras da empresa

ANTF divulga balanço do transporte ferroviário em 2012
Presidente da Ferroeste defende em São Paulo trem-bala até Curitiba
Ferroeste receberá R$ 2,6 milhões em peças e material de reposição para locomotivas

Os técnicos da companhia Ferroeste avaliaram as condições da malha férrea entre os municípios de Cascavel e Guarapuava, ambos no Paraná. A inspeção do trecho incluiu pátios, desvios, locomotivas, vagões e outros equipamentos da frota que opera na linha.

A pedido do secretário dos Transportes, Mário Stamm Júnior, o balanço foi realizado com a finalidade de ajudar a nova diretoria a orientar as ações de recuperação da ferrovia equilibrando as questões econômicas e financeiras da empresa.

De acordo com Neuroci Antonio Frizzo, presidente da Ferroeste, o relatório final permite uma análise segura das condições de tráfego, dos estoques e da necessidade de contratar serviços de engenharia para otimização do transporte de cargas por meio da malha. “A partir de agora, já podemos elaborar com segurança o Plano de Recuperação da Ferroeste”, complementa o executivo.

Ainda de acordo com Frizzo, as necessidades de escoamento da safra na região são muitas, mas o relatório auxiliará no planejamento de uma estratégia agressiva de recuperação empresarial.

Condições da via

Dentre os principais pontos do relatório técnico-operacional, destacam-se: a inexistência de um plano de manutenção para a via permanente; o processo de lubrificação de trilhos que não vinha sendo realizado devido à falta de equipamentos básicos para a realização; e a situação dos AMVs (Aparelhos de Mudança de Via), que têm treze anos de uso, sendo que a vida útil é de seis anos.

Além das questões citadas, a inspeção também concluiu que o nivelamento da linha só foi realizado na construção da via de ferro, e que o estoque de trilhos foi reduzido. Ainda conforme a avaliação, o tráfego de vagões vazios ainda é grande e as locomotivas precisam de reparos constantemente.

A respeito da estratégia de médio e longo prazo, o balanço enfatiza na necessidade da expansão do trecho até Guaíra e Maracaju (MS), na modernização do trecho Desvio Ribas-Guarapuava e na construção de um novo ramal ligando o Porto de Paranaguá (Guarapuava-Curitiba-Paranaguá).

Por: Victor José – Redação Portal Transporta Brasil, com informações da Agência de Notícias Estado do Paraná

COMMENTS