Iveco fornece 233 caminhões para o governo de MG

O investimento do governo faz parte do programa Novo Somma, uma linha de financiamento do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais que facilita na realização de investimentos na área de infraestrutura urbana

Financiamentos de pesados estão comprometidos com o fim do Finame PSI
Porto de Paranaguá (PR) terá novo acesso para acabar com filas
Truckvan prevê faturamento de R$ 12 milhões por ano com food trucks

A fabricante Iveco venceu a licitação do Programa Somma Maq, de gestão viária e coleta de lixo do governo de Minas Gerais. A venda realizada foi de 233 caminhões Eurocargo 170E22, versão 4×2. A entrega dos caminhões aconteceu na última terça-feira (22), no novo Centro Administrativo do Estado, com a presença do governador do Estado, Antonio Anastasia, e outras autoridades dos municípios mineiros.

O programa Somma Maq faz parte do programa Novo Somma, a linha de financiamento do BDMG (Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais) que oferece suporte a investimentos dos municípios nas áreas de infraestrutura urbana, gestão sustentada e integrada dos resíduos sólidos urbanos. Ele permite que até 100% do valor investido seja financiado, entre R$ 1,5 milhão e R$ 3 milhões, variando de acordo com o número de habitantes.  O custo é de TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) + 4% ao ano, em até 66 meses. Para municípios com baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) os juros são de 2% + TJLP.

“Até agora estão em análise 291 pedidos de financiamento feitos por parte das prefeituras, sendo que 42 operações de crédito já foram aprovadas pela Secretaria do Tesouro Nacional, permitindo a entrega de 160 equipamentos”, afirma Sarah Laine de Castro, responsável pelos financiamentos do BDMG.

Foram solicitadas para a fabricante 188 unidades dos caminhões equipados com caçamba de 6 mts³ e 45 unidades com coletores de lixo. O EuroCargo 170E22 utiliza o motor Tector de seis cilindros e 5,9 litros, com controle eletrônico e injeção de combustível “common rail”, sistema esse que possui baixa emissão de poluentes e 30% menos necessidade de troca de marcha.

O investimento do BDMG nos programas está estimado em R$ 400 milhões.

Por Nayra Brighi – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS