Empresas aéreas se juntam em aliança para criar programa de sustentabilidade

Empresas como a Tam, Gol e Embraer, se reuniram na semana passada e formaram uma aliança para investir nas pesquisas de novos combustíveis alternativos que diminuam a emissão de CO2.

Etanol deve chegar a R$ 1,90/l em 2 meses
Demanda atrai produtores de peso para o Arla 32
Ale assina acordo para comercialização exclusiva dos produtos Bardahl no Brasil

Com o objetivo de promover o desenvolvimento de biocombustíveis para a aviação, na semana passada, 10 entidades formaram a Aliança Brasileira para Biocombustíveis de Aviação (ABRABA), em São Paulo. A aliança é composta por empresas aéreas, empresas de pesquisa, produtores de biomassa e fabricantes aeronáuticos: Algae Biotecnologia, Amyris Brasil, Associação Brasileira dos Produtores de Pinhão Manso (ABPPM), Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil (AIAB), Azul Linhas Aéreas Brasileiras, Embraer – Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A., GOL Linhas Aéreas Inteligentes, TAM Linhas Aéreas, TRIP Linhas Aéreas e União da Indústria da Cana-de-açúcar (UNICA). As empresas esperam alcançar, por meio de políticas publicas e privadas, resultados de combustíveis equivalentes em segurança e custo aos combustíveis derivados do petróleo.

As mudanças no clima e a possível escassez de combustíveis de origem fóssil reforçam a demanda pela procura de novas opções. E como 2% das emissões de CO2 vêm da aviação civil, segundo pesquisas do Painel Intergovernamental de Mudanças no Clima da ONU, empresas e instituições do setor vêm contribuindo para o desenvolvimento de alternativas de redução das emissões de gases.

Ao se juntarem para resolver a questão da emissão de carbono, as empresas do setor poderão fazer um trabalho de sustentabilidade competente e necessário para a sociedade e, com maturidade, a aliança pode minimizar qualquer interrupção no processo de desenvolvimento econômico que um programa sustentável pudesse causar.

Por Nayra Brighi – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS