Ferrovia na Bahia leva R$ 6 bilhões em aportes

A ideia é formar um corredor de transporte que otimizará a operação do Porto de Ponta da Tulha, em Ilhéus (BA), e ainda abrir nova alternativa de logística para portos no norte do País atendidos pela Ferrovia Norte-Sul e pela Estrada de Ferro Carajás

Giro de cargas bate recorde no Porto de Santos e cresce 2,6%
Mato Grosso terá nova alternativa para escoamento da produção
Kepler Weber, ainda longe do efeito da crise

Com investimentos de aproximadamente R$ 6 bilhões oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Ferrovia de Integração Oeste-Leste lançou na ultima sexta-feira (26), os editais para a construção da ferrovia de 1.527 quilômetros, que ligará o estado da Bahia ao Tocantins. A ideia é formar um corredor de transporte que otimizará a operação do Porto de Ponta da Tulha, em Ilhéus (BA), e ainda abrir nova alternativa de logística para portos no norte do País atendidos pela Ferrovia Norte-Sul e pela Estrada de Ferro Carajás.

Segundo a Valec Engenharia, Construções e Ferrovias, responsável pelo projeto, a ferrovia recebeu a licença ambiental no ultimo dia 23, e começará as obras em julho deste ano, tão logo as autoridades ambientais concedam a Licença de Instalação. O objetivo da Valec é chegar em julho de 2013 com o trecho Ilhéus-Barreiras, de cerca de 1.000 km totalmente concluído.

Entre os benefícios previstos para o estado da Bahia com a construção da Ferrovia Oeste-Leste, estão a redução de custos do transporte de insumos e produtos diversos, aumento da competitividade do agronegócio e a possibilidade de implantação de novos polos agroindustriais e de exploração de minérios, aproveitando sua conexão com a malha ferroviária nacional. Além disso, a ferrovia Oeste-Leste deve fomentar mais o desenvolvimento agrícola da região oeste do Estado da Bahia, com produção de 6,7 milhões de toneladas em 2015.

Link para a matéria original

COMMENTS