Bunge firma acordo para venda do negócio brasileiro de nutrientes para fertilizantes à Vale por U$ 3,8 bilhões

A Bunge anunciou semana passada que firmou um acordo definitivo com a Vale segundo o qual a empresa brasileira adquirirá ativos relacionados à produção no negócio de fertilizantes (upstream) da Bunge no Brasil

Falta espaço para guardar colheita brasileira
VLI cria nova rota para escoamento de soja para o Porto de Itaqui (MA)
Governo anuncia investimentos na infraestrutura logística para o agronegócio

A Bunge anunciou semana passada que firmou um acordo definitivo com a Vale segundo o qual a empresa brasileira adquirirá ativos relacionados à produção no negócio de fertilizantes (upstream) da Bunge no Brasil, incluindo nutrientes e a participação da empresa na Fosfertil – Fertilizantes Fosfatados S.A., pelo valor de U$ 3,8 bilhões.  O valor líquido da transação, depois das taxas, honorários e despesas, será de aproximadamente U$ 3,5 bilhões.

Sob os termos do acordo, a Vale adquirirá a participação de 42,3% que a Bunge detém na Fosfertil, bem como as minas de fosfato integralmente pertencentes à Bunge e suas instalações produtivas no Brasil. A capacidade anual de produção de rocha fosfática e sua participação na Fosfertil correspondem a aproximadamente 3 milhões de toneladas. A Bunge manterá seu negócio de varejo em fertilizantes no Brasil e firmará um acordo de suprimento com a Vale até 2012, com opção de prorrogação por mais um ano. A Bunge também manterá suas operações de fertilizantes na Argentina e nos Estados Unidos, e sua participação de 50% na joint venture com a Office Cherifien des Phosphates (OCP), em Marrocos.

Alberto Weisser, Chairman e Chief Executive Officer da Bunge, declarou, “Esta transação representa uma oportunidade de realizar o valor destes ativos imediatamente a um preço atraente. Nos permite redirecionar capital para aumentar a escala de nossos negócios de produtos e ingredientes alimentícios e agronegócio em nível global, além de ampliar nossa expansão em cadeias de valor complementares, como a de açúcar. Vemos grandes oportunidades de crescimento na construção de nossa presença global, alavancando nossas capacidades comercial, de logística e de gestão de risco por meio de um portfólio de produtos mais abrangente.  Acreditamos que esta abordagem acrescentará maior valor para nossos acionistas no longo prazo.

Weisser continuou, “é um momento oportuno para deixarmos a produção de fertilizantes no Brasil. Para manter o crescimento, teríamos que fazer investimentos de capital significativos. Com as incertezas relacionadas aos preços internacionais e ao câmbio local, acreditamos  que será melhor investir em outras oportunidades.  Além disso, grandes mineradoras globais estão ingressando no setor e diversificando seus portfólios de mineração. Ficamos felizes que este negócio passe para a Vale, que compartilha com a Bunge o compromisso de longo prazo com o Brasil”.

Esperamos que a transação, que está sujeita às condições de fechamento de praxe, incluindo algumas aprovações governamentais relativas às concessões minerais, seja finalizada no segundo trimestre de 2010.

Nesta transação Credit Suisse AG forneceu assessoria financeira e Souza Cescon Barrieu &Flesch Advogados e Shearman & Sterling LLP forneceram assessoria jurídica à Bunge, respectivamente no Brasil e nos Estados Unidos.

COMMENTS