Ministério das Relações Exteriores busca acordo bilateral com a Argentina para evitar cobrança do seguro Carta Verde

O encontro, solicitado pela vereadora Josefina Soares (Uruguaiana), contou com a presença do presidente da Associação Brasileira de Transportadores Internacionais (ABTI), José Carlos Becker

Veloce Logística leva sexto prêmio da GM em dois anos
Brasil e Argentina firmam acordo para construção de ponte internacional
Cargas entre América Latina e Europa em até 48 horas

O deputado federal Cláudio Diaz (PSDB-RS) e o deputado estadual Frederico Antunes (PP), estiveram em audiência na semana passada no Ministério das Relações Exteriores  com o diretor do Departamento da América do Sul I, ministro João Luiz Pereira Pinto,  e com Conselheiro Benoni Belli, para solicitar o fim da exigência do seguro Carta Verde para veículos  da fronteira do Brasil com a Argentina.

O encontro, solicitado pela vereadora Josefina Soares (Uruguaiana), contou com a presença do presidente da Associação Brasileira de Transportadores Internacionais (ABTI), José Carlos Becker, e representantes do Sindicato dos Despachantes Aduaneiros do RS (SDAERGS), Lauri Kotz (presidente) e Fábio Ciocca (diretor).

O diretor João Luiz Pereira Pinto informou que esse assunto está na pauta do Ministério, que busca solução por meio de um acordo bilateral a ser firmado com a Argentina e o Uruguai. Provavelmente até fevereiro o governo brasileiro já tenha posição mais clara sobre o assunto. “Vamos explorar todas as ideias em estudo: renegociar bilateralmente com a Argentina e o Uruguai  ou dentro do Mercosul. Outra proposta em análise consiste em embutir o seguro Carta Verde no seguro obrigatório brasileiro  (DPVAT), nas áreas vicinais internacionais numa faixa de 50 quilômetros, a exemplo do seguro argentino, que garante cobertura em todos os países do Mercosul.

Pereira Pinto  salientou que não pode haver assimetria de tratamento nas comunidades fronteiriças, onde começa a integração. Reconheceu, também, que esse tipo de exigência precisa acabar porque prejudica seriamente os motoristas.

COMMENTS