Litro da gasolina a R$ 2,169 e do álcool a R$ 1,539

Ontem, em alguns postos de Fortaleza, o litro da gasolina comum podia ser encontrado a R$ 2,169, e o litro do álcool a R$ 1,539

Prazo para apresentação de recurso contra multas de trânsito poderá ser ampliado
Incorporação de empresas aéreas pela VRG está no Diário Oficial
Agência Nacional de Transportes Terrestres discute regulamentação de cartão-frete

Os preços dos combustíveis voltam a cair em Fortaleza, mantendo uma trajetória de redução, ainda lenta, se comparada à forte retração registrada nos preços do petróleo no mercado internacional, mas, de qualquer forma, animadora para os consumidores. Ontem, em alguns postos de Fortaleza, o litro da gasolina comum podia ser encontrado a R$ 2,169, e o litro do álcool a R$ 1,539.

Em outros vários estabelecimentos, nos quatro cantos da cidade, o litro da gasolina comum foi encontrado a R$ 2,179 e o do etanol, a R$ 1,559. Esses preços representam redução de mais 3% e 2%, respectivamente, aos verificados no mercado da Capital, no início deste mês. Há postos no entanto, que ainda insistem em manter os preços no pico, com o litro do álcool R$ 1,69 e o da gasolina comum, a R$ 2,599.

Concorrência

Diminuição nos preços pelas distribuidoras e a concorrência entre os postos e as bandeiras de combustíveis são as principais razões apontadas por donos e gerentes dos estabelecimentos na capital cearense, para o recuo. ´E vai baixar mais´, avisa Jonas Dutra, gerente do Metro Posto, de bandeira Shell, à Rua José Façanha, 555, no Bairro Damas, onde o litro do álcool está sendo comercializado a R$ 1,539.

Segundo Carlos Pessoa, proprietário do Posto Rodão, na Alberto Craveiro, 494 — onde a gasolina já pode ser encontrada a R$ 2,169, o litro — as distribuidoras estão concedendo descontos diferenciados aos postos, como forma de incentivar a concorrência. ´É a concorrência que está puxando os descontos´, explica Pessoa.

O presidente do Sindicato dos Proprietários de Postos de Combustíveis do Ceará (Sindipostos), José Carlos de Oliveira, confirma a disputa entre os estabelecimentos, estimulados pelas distribuidoras. ´Elas (distribuidoras) só dão descontos, para quem (postos) também reduz a margem de lucro´, explica Oliveira. ´O que era pontual antes, hoje está generalizado´, diz, em relação à concorrência de preços na cidade.

Para o porteiro de condomínio, José Inácio Monteiro, a ´briga´ entre os postos é saudável, boa para o consumidor. Morador do bairro do Castelão, ele afirma que, mesmo com os preços em baixa, não abre mão de pesquisar. ´Sempre colocava na BR, mas como este agora (na Alberto Craveiro) está menor, vim abastecer aqui´, declarou Monteiro, expondo o perfil do consumidor atual.

Levantamento feito pela ANP, no último dia 15, revelou que os preços médios do álcool também caíram em outros 17 Estados brasileiros.

COMMENTS