Impasse entre consórcio e Estado compromete terminal de Itajaí

O superintendente do Porto de Navegantes, Osmari de Castilho Ribas, afirma que a situação é terrível para todo o Vale de Itajaí já que a movimentação econômica da região é baseada nos portos, inclusive a geração de empregos

Mato Grosso terá 221 radares de monitoramento
Vendas de trator caem em abril
Trechos de cinco rodovias são passados para concessionárias em São Paulo

Quase seis meses se passaram desde a ocorrência das enchentes de novembro do ano passado e o rio Itajaí Açu, que serve de canal de acesso a dois portos em Santa Catarina, o de Itajaí e o de Navegantes, ainda não voltou a apresentar o calado de 11 metros, verificado antes da tragédia climática. O impasse continua e não há previsão de retomada da dragagem já que o consórcio Draga Brasil, responsável pelos trabalhos, afirma que concluiu o serviço e a Secretaria Especial dos Portos (SEP) não concordou em fazer um aditivo no contrato para que mais sedimentos fossem retirados do fundo do rio. Este aditamento significaria mais R$ 8 milhões para retirar um milhão de metros cúbicos. O contrato inicial foi orçado em R$ 17,5 milhões.

O superintendente do Porto de Navegantes, Osmari de Castilho Ribas, afirma que a situação é terrível para todo o Vale de Itajaí já que a movimentação econômica da região é baseada nos portos, inclusive a geração de empregos.

Segundo Ribas, Navegantes restabeleceu a quantidade de navios que operava antes das enchentes, que era em torno de 50 por mês, mas não recuperou a quantidade de carga devido ao calado de 10 metros. “Chegamos a operar com nove metros em janeiro e fevereiro”. Ribas diz que o faturamento caiu pela metade. “Acabamos operando muitos contêineres vazios”. A câmara frigorificada, estrutura nova, recém inaugurada, também sofre limitação porque muitas vezes armazena a carga em Navegantes e a expede por outros portos.

Dragagem insatisfatória – “Por vários motivos a execução da dragagam não foi satisfatória e o consórcio não conseguiu levar o calado para os 11 metros. Imagino que era absolutamente conhecida as condições do rio. Quem entra numa licitação deste porte com esta responsabilidade deve avaliar os riscos”, disparou o executivo.

O superintendente do Porto de Itajaí, Antônio Aires dos Santos Júnior, afirma que o processo de dragagem não deu o resultado esperado pela Draga Brasil. “Eles não conseguiram tirar o material do fundo do rio no tempo prometido”. Inicialmente, o projeto previa 120 dias para que a dragagem restabelecesse os 11 metros, mas o consórcio afirmou que faria o serviço em 75 dias. O prazo não foi cumprido. Estabeleceram então o prazo contratual limite do prazo, de 120 dias que venceu dia 20 de abril. No final do mês passado pediram novo prazo, de 30 dias, mas a SEP não concordou no aditamento do contrato que implicava no desembolso de mais R$ 8 milhões.

O metro de calado que falta é significativo para a produção do porto, diz Santos Júnior. Segundo ele, cada navio que atracava com 800 contêineres em média, agora estão com 400, a metade da capacidade. “Tivemos uma queda de 20 mil contêineres por mês, equivalente a uma receita de R$ 20 milhões por mês que deixou de entrar na economia da cidade”, afirma o superintendente do porto de Itajaí. Junto a SEP, há projetos dos portos de aprofundamento de calado para 14 metros para análise e enquadramento no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Já a perda de movimentação do porto de São Francisco do Sul provocada pela crise foi compensada pela absorção de parte das cargas de Itajaí, diz o presidente do porto, Paulo Corsi. Metade da movimentação é de cargas a granel e a outra parte de carga geral e contêiner (300 mil TEUs/ano). No ano passado, movimentou quatro milhões de soja a granel. “Este ano devemos superar este volume, com crescimento de até 15%”, diz Corsi. São Francisco espera a execução de investimentos de R$ 100 milhões para dragagem do calado de 12 metros para 14 metros e R$ 30 milhões na retificação de mais um berço. Os recursos são do PAC.

COMMENTS