BB anuncia linha de R$ 3 bi para fabricantes de autopeças

Os empréstimos serão concedidos só se o tomador do crédito comprovar que vai usar os recursos para pagar as contribuições do Pis e Cofins, Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Imposto sobre Comercialização de Mercadorias e Serviços (ICMS), contribuições para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)

Ministério colhe subsídios para Logística e Transporte no MS
Rota é a 2ª para MT
Monopólio postal fecha mais uma microempresa

As empresas de autopeças receberam uma linha de crédito exclusiva para o setor de até R$ 3 bilhões para superar o sufoco da falta de crédito e da desaceleração produtiva neste final de ano. A nova linha foi anunciada ontem pelo Banco do Brasil, que libera dinheiro dentro da linha BB Capital de Giro Tributos. Os empréstimos serão concedidos só se o tomador do crédito comprovar que vai usar os recursos para pagar as contribuições do Pis e Cofins, Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Imposto sobre Comercialização de Mercadorias e Serviços (ICMS), contribuições para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O vice-presidente de Varejo e Distribuição do BB, Milton Luciano dos Santos, explicou que embora a linha seja específica para o pagamento de tributos e contribuições, na prática libera dinheiro da empresa que irá reforçar o capital de giro para outros tipos de despesas.

A liberação dos recursos será feita pelo BB justamente nas datas de vencimentos dos impostos e obrigações, até 31 de março de 2009. Por isso é que será exigida a apresentação das guias de recolhimento, para quitação imediata. As contratações dos empréstimos na linha BB Capital de Giro Tributos terá de ocorrer, portanto, até 15 de março.

Os juros são prefixados. A taxa mais baixa será de 1,53% ao mês, mas o juro será estabelecido de acordo com o risco do cliente e outras condições estabelecidas na contratação. O financiamento conta com carência de até três meses para o principal e os juros, e o pagamento pode ser feito em até 12 parcelas mensais. O empréstimo vai ser referenciado em relação ao valor dos tributos a serem pagos, sendo 80% para a competência de novembro (que tem recolhimento em dezembro), 70% do total referente a dezembro, 60% do valor de janeiro e 50% do referente a fevereiro.

Paralelamente, o banco oferece também ao setor automotivo a linha BB Giro 13º Salário, incluindo os encargos sociais incidentes. Nessa linha, a contratação poderá ser feita até 30 de janeiro de 2009. O prazo de pagamento é de até 13 meses, com encargos financeiros que incluem a variação da Taxa Referencial (TR) mais 1,55% mensal, no percentual mais baixo. O juro poderá ser mais elevado de acordo com a análise de risco do cliente e outras condições da operação.

Santos destaca que, em qualquer situação, os juros cobrados serão mais baixos que os de demais opções de empréstimos. “Dependendo do risco do cliente, as taxas ficam entre 15% e 20% abaixo dos custos das linhas tradicionais”, explica ele. A decisão do empréstimo foi tomada depois de negociações com o Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças). Os produtores disseram que devido à desaceleração das vendas de carros novos, o segmento de peças também sofreu retração e enfrentava dificuldades. “O pleito era plausível”, disse Santos.

O vice-presidente de Varejo do BB destaca que a linha lançada não é uma novidade. Segundo Santos, o BB fez, no passado, operações semelhantes direcionadas aos setores calçadista e moveleiro. Dessa forma, não está descartada a possibilidade de que outros segmentos sejam atendidos por linhas específicas no atual momento de crise.

COMMENTS