Produção de caminhões despenca com baixa exportação

"Nosso maior desafio agora é o setor de caminhões e as exportações, que apresentaram declínios significativos", avalia Jackson Schneider, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea)

Em São Paulo, preço de passagem de ônibus intermunicipal terá reajuste
China compra minério e aquece o transporte
Comissão ouve empresas e aeronautas sobre nova lei do setor aéreo

A crise financeira mundial fez o governo tomar medidas importantes para tentar recuperar a economia, como a desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros de até mil cilindradas e caminhões. No entanto, para este último segmento, a medida não surtiu o mesmo efeito que os automóveis.

“Nosso maior desafio agora é o setor de caminhões e as exportações, que apresentaram declínios significativos”, avalia Jackson Schneider, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

As exportações totais de veículos despencaram 50,3% nos quatro primeiros meses de 2009, frente ao mesmo período do ano anterior, somando 123.101 unidades. Dentro desta cadeia, o setor de caminhões foi o que apresentou a maior queda, de 65,8% no período. Somente as vendas de caminhões pesados para o mercado externo diminuíram 76%, enquanto que a categoria semileves exportou 77,2% a menos.

Com isso, a produção de caminhões despencou 32,4% no primeiro quadrimestre deste ano, somando 34.434 unidades, na comparação com os mesmos meses do ano anterior. No mesmo sentido, as vendas neste segmento atingiram 29.935 unidades, o que significa um decréscimo de 18,2% na mesma base de comparação.

“O ramo de caminhões não teve o efeito emocional que os automóveis tiveram, mesmo porque são categorias diferentes. É um setor que não tem apresentado melhora e que passa por dificuldades”, acrescenta Schneider, considerando que a queda das exportações em valores é fruto de uma contundente queda nos mercado internacionais.

Em termos de valores, as exportações de autoveículos recuaram 49,3% de janeiro a abril deste ano, totalizando US$ 1,76 bilhão. “Não temos um olhar otimista em relação as exportações neste ano”, afirma a Anfavea.

Já em relação aos licenciamentos de veículos nos quatro primeiros meses de 2009 houve uma redução de 0,7% na comparação com a mesma época de 2008, totalizando 902.652 unidades. Somente em abril foram comercializadas 234.390 unidades, apontando queda de 13,7% em relação ao mês anterior.

“Nos quatro primeiros meses, houve pequeno recuo e o número foi praticamente igual ao do mesmo quadrimestre do ano passado”, diz o presidente da Anfavea.

Além da influência da redução do IPI, a entidade analisou que o volume de crédito subiu 0,6% de fevereiro para março, para R$ 145,8 bilhões, o juro caiu 1 ponto percentual, enquanto que a inadimplência passou de 4,9% em fevereiro para 5,1% em março.

Produção no quadrimestre

Em abril, a aquisição a prazo de veículos zero km respondeu por 56% das compras, enquanto que 44% comparam à vista.

“Esta retomada na venda de veículos a prazo mostra a melhora da confiança no mercado”, considera Schneider.

Com as vendas e as exportações em queda, naturalmente a produção de veículos caiu nos quatro primeiros meses deste ano. No período foram fabricadas 916.225 unidades, o que significa uma redução de 16,4%, face aos mesmos meses do ano anterior. “Este número é explicado claramente pela queda nas exportações”, diz o presidente da Anfavea.

Previsões para 2009

A Anfavea também reafirmou suas expectativas para o mercado este ano. A previsão é de uma queda de 3,9% na venda de veículos em 2009, devendo somar 2,71 milhões, frente aos 2,82 milhões de unidades vendidas em 2008.

Na mesma direção, a estimativa é que as exportações em termos de volume (somente autoveículos) recuem 32% neste ano, para 500 mil unidades, enquanto que em dinheiro (máquinas agrícolas e autoveículos) devem cair 39%, para US$ 8,5 bilhões.

A Anfavea prevê também que a produção de veículos alcance 2,86 milhões, representando um declínio de 11,2%, em relação ao ano anterior.

Nível de emprego

A Anfavea informou ainda que o número de pessoas empregadas na indústria automobilística somou 120.754 em abril, o que representa uma queda de 1,1% frente ao mês anterior e de 4,1% em relação a abril do ano passado. Deste número, 106.001 referente ao segmento de autoveículos e 14.753 de máquinas agrícolas automotrizes.

“Esta queda reflete o efeito da produção. Não temos como prever quando a indústria vai parar de demitir”, afirma Schneider.

COMMENTS