ViaQuatro consegue financiamento do BID

O financiamento será dividido em duas fases, de acordo com o que foi previsto no contrato de concessão assinado em sistema de Parceria Público-Privada, em novembro de 2006, para operação e manutenção da Linha 4

Toyota é rebaixada na classificação de risco
Vacaria vai ganhar um aeroporto
China abre guerra comercial por restrição dos EUA a pneus

A concessionária ViaQuatro, do Grupo CCR, assinou com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) um financiamento no valor de US$ 368,7 milhões para a operação da Linha 4 – Amarela do Metrô de São Paulo.

O presidente da ViaQuatro, Luís Valença, informou que o financiamento foi fechado com o BID e um pool de bancos privados, sendo que estes serão responsáveis por US$ 240 milhões do total. “Estamos alinhando este empréstimo há um ano e neste momento foi difícil concluir o negócio em função da crise financeira mundial. Mas, como o projeto tem boas garantias, conseguimos convencer nossos parceiros de que seria um bom negócio”, explicou Valença.

Segundo a empresa, o financiamento será dividido em duas fases, de acordo com o que foi previsto no contrato de concessão assinado em sistema de Parceria Público-Privada, em novembro de 2006, para operação e manutenção da Linha 4. Na primeira fase da operação serão financiados US$ 309,2 milhões e na segunda os demais US$ 59,5 milhões.

Os investimentos serão destinados à operação da linha, que deverá ser inaugurada em fevereiro de 2010. “Esta operação é de suma importância e representa um marco expressivo para a viabilização de nosso projeto”, disse o executivo.

A ViaQuatro já assinou a compra de 29 trens (14 para a primeira fase e até 15 para a segunda), sistemas de sinalização, centro de controle e comunicação móvel. “Ao todo estão previstos investimentos de US$ 390 milhões, sendo que US$ 309 milhões serão financiados pelo BID. Sem estes recursos não seria viável o projeto, já que demanda investimentos altos”. Valença informou que o financiamento será pago em 15 anos, sendo que a parte privada dos recursos tem prazo de pagamento de 12 anos. A carência do empréstimo é de seis meses após o início da operação, em 2010. (Ana Paula Machado – Gazeta Mercantil)

Link para a matéria

COMMENTS