Gol espera recuperar perda com tarifa maior

O presidente da Gol, Constantino de Oliveira Junior, afirmou que o indicador yield, que mede o preço pago por passageiro por quilômetro voado, no terceiro trimestre ficou comparável com os praticados em 2006

Polícia Rodoviária Federal lança, no Paraná, novo modelo de patrulhamento de estradas
Investimentos de novas hidrovias demandará R$ 18 bi
Transporte Rodoviário exige agilidade na fiscalização

A Gol Linhas Aéreas, segunda maior companhia aérea do País, espera uma continuidade na recuperação dos preços de passagens aéreas, apesar de estimar uma queda nos preços do petróleo em 2009. O presidente da Gol, Constantino de Oliveira Junior, afirmou que o indicador yield, que mede o preço pago por passageiro por quilômetro voado, no terceiro trimestre ficou comparável com os praticados em 2006.

“A recuperação de yield deve se estabelecer. Esperamos que os yields se mantenham nos patamares compatíveis com aqueles que praticávamos em 2005 e 2006 e isso não gerará um desestímulo na demanda no mercado doméstico porque mesmo com a recuperação continuamos oferecendo tarifas competitivas em relação a passagens de ônibus”, disse Oliveira Junior.

A Gol registrou prejuízo de R$ 474,4 milhões em termos contábeis brasileiros (BR GAAP). O resultado foi afetado por perda financeira e aumento de custos. O peso maior foi na linha de variações monetárias e cambiais, que geraram um impacto de R$ 261,79 milhões diante da forte valorização do dólar frente ao real no trimestre passado que afetou os passivos em moeda estrangeira da empresa.

Os custos de despesas operacionais totais aumentaram em 35,7% do final do terceiro trimestre de 2007 para o mesmo período deste ano, para R$1,7 bilhão. Somente as despesas com combustíveis avançaram 51,2%, para R$ 748,5 milhões. A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e arrendamento de aeronaves (Ebitdar, na sigla em inglês) somou R$ 259,9 milhões, crescimento de 34,4%.

A Gol espera para 2009 um preço médio do petróleo (WTI) de US$ 85 o barril. Para o mercado doméstico, a empresa vê crescimento de 6% ante estimativa de expansão de 8,5% em 2008.

COMMENTS