Trechos de cinco rodovias são passados para concessionárias em São Paulo

As concessões vão gerar investimentos de R$ 8 bilhões e possibilitar a duplicação de 369 quilômetros de vias, a construção de 83 passarelas, 290 trevos e 564 quilômetros de faixas adicionais e acostamentos

Preço do álcool sobe em 20 estados e uso da gasolina fica mais vantajoso
Aeroporto de Manaus movimenta 13% mais cargas no ano
Concessionárias querem reajuste de até 2,56% a partir de 1º de dezembro (PR)

Em leilão da 2ª etapa do Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo realizado nessa quarta-feira (29), trechos de cinco rodovias – Raposo Tavares, Marechal Rondon Oeste e Leste, Ayrton Senna/Carvalho Pinto e Dom Pedro I – que totalizam 1,7 mil quilômetros, foram passadas para as mãos da iniciativa privada. As informações são do governo paulista.

As concessões vão gerar investimentos de R$ 8 bilhões e possibilitar a duplicação de 369 quilômetros de vias, a construção de 83 passarelas, 290 trevos e 564 quilômetros de faixas adicionais e acostamentos.

Entre as obras previstas, está o prolongamento do Anel Viário de Campinas, entre a Via Anhanguera e o aeroporto de Viracopos, orçado em R$ 161 milhões, e a duplicação de 51,3 quilômetros da Rodovia do Açúcar, no trecho entre Salto (SP) e Piracicaba (SP), orçada em R$ 192,7 milhões. As concessionárias vencedoras também serão responsáveis por 916 quilômetros de rodovias vicinais que não terão cobrança de pedágio.

Os consórcios serão obrigados a instalar telefones de emergência e câmeras de monitoramento; construir bases de SAU (Sistema de Auxílio ao Usuário); manter  mecânicos treinados à disposição dos motoristas, equipe de paramédicos para primeiros socorros, serviços de remoção com guinchos. Há exigência ainda da construção de bases da Polícia Militar Rodoviária.

O consórcio Invepar-OAS foi o vencedor da licitação da rodovia Raposo Tavares. O consórcio propôs deságio de 24,78% sobre a tarifa quilométrica atual das rodovias concedidas no estado. O trecho da rodovia abrange a região compreendida pelos municípios de Presidente Prudente, Marília, Assis e Bauru, com extensão de aproximadamente 450 quilômetros, além de 390 quilômetros de estradas vicinais. O investimento previsto para esse trecho é de R$ 1,803 bilhão.

Com deságio de 46,7% sobre a atual tarifa quilométrica das rodovias paulistas concedidas, o Consórcio BR Vias SP foi o vencedor do leilão do trecho Oeste da Rodovia Marechal Rondon. O corredor Marechal Rondon Oeste tem extensão de aproximadamente 420 quilômetros e receberá investimento de R$ 1,3 bilhão da concessionária vencedora.

O corredor Marechal Rondon Leste ficará a cargo do consórcio Brasinfra, formado pelas empresas Cibe Rodovias, Ascendi e Leão&Leão, que venceu a concorrência com 22,08% de deságio em relação à atual tarifa quilométrica das rodovias.

Com extensão de cerca de 420 quilômetros, o corredor abrange as regiões formadas pelos municípios de Piracicaba, Campinas, Botucatu, Itu e Salto. Nesse trecho, há também 200 quilômetros de estradas vicinais, que receberão benefícios da concessionária vencedora. Serão ainda investidos R$ 1,612 bilhão em melhorias e serviços ao usuário na rodovia.

O Consórcio Triunfo Participações e Investimentos (TPI), que ofereceu um deságio de 59,6%, foi vencedor do leilão para concessão do corredor Ayrton Senna/Carvalho Pinto, que compreende a área leste da região metropolitana da capital e as regiões do Vale do Paraíba e Alto Tietê. O trecho do complexo Ayrton Senna/Carvalho Pinto licitado tem extensão de 140 quilômetros e receberá investimento de R$ 903 milhões da concessionária vencedora.

O Consórcio Integração Dom Pedro I, formado pelas empresas Odebrecht Investimentos e Infra-estrutura e Odebrecht Serviço de Engenharia e Construção, obteve a concessão do corredor Dom Pedro I, que abrange as regiões de Campinas, Jundiaí, Bragança, Itatiba, Paulínia, São José dos Campos, Alto Tietê e Vale do Paraíba. O deságio proposto foi de 15,73% sobre a atual tarifa.

A rodovia Dom Pedro I receberá investimento de R$ 2,410 bilhões em obras de recuperação, sinalização, monitoração e serviços em uma extensão de cerca de 300 quilômetros, além de 80 quilômetros de estradas vicinais.

Link para a matéria

COMMENTS