Trechos de cinco rodovias são passados para concessionárias em São Paulo

As concessões vão gerar investimentos de R$ 8 bilhões e possibilitar a duplicação de 369 quilômetros de vias, a construção de 83 passarelas, 290 trevos e 564 quilômetros de faixas adicionais e acostamentos

Roubos de veículos caem 23% em Belo Horizonte
Após 2 meses ruins, setor de motos se recupera
ANAC inicia em 1º de janeiro processo de liberação de tarifas para todos os vôos internacionais

Em leilão da 2ª etapa do Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo realizado nessa quarta-feira (29), trechos de cinco rodovias – Raposo Tavares, Marechal Rondon Oeste e Leste, Ayrton Senna/Carvalho Pinto e Dom Pedro I – que totalizam 1,7 mil quilômetros, foram passadas para as mãos da iniciativa privada. As informações são do governo paulista.

As concessões vão gerar investimentos de R$ 8 bilhões e possibilitar a duplicação de 369 quilômetros de vias, a construção de 83 passarelas, 290 trevos e 564 quilômetros de faixas adicionais e acostamentos.

Entre as obras previstas, está o prolongamento do Anel Viário de Campinas, entre a Via Anhanguera e o aeroporto de Viracopos, orçado em R$ 161 milhões, e a duplicação de 51,3 quilômetros da Rodovia do Açúcar, no trecho entre Salto (SP) e Piracicaba (SP), orçada em R$ 192,7 milhões. As concessionárias vencedoras também serão responsáveis por 916 quilômetros de rodovias vicinais que não terão cobrança de pedágio.

Os consórcios serão obrigados a instalar telefones de emergência e câmeras de monitoramento; construir bases de SAU (Sistema de Auxílio ao Usuário); manter  mecânicos treinados à disposição dos motoristas, equipe de paramédicos para primeiros socorros, serviços de remoção com guinchos. Há exigência ainda da construção de bases da Polícia Militar Rodoviária.

O consórcio Invepar-OAS foi o vencedor da licitação da rodovia Raposo Tavares. O consórcio propôs deságio de 24,78% sobre a tarifa quilométrica atual das rodovias concedidas no estado. O trecho da rodovia abrange a região compreendida pelos municípios de Presidente Prudente, Marília, Assis e Bauru, com extensão de aproximadamente 450 quilômetros, além de 390 quilômetros de estradas vicinais. O investimento previsto para esse trecho é de R$ 1,803 bilhão.

Com deságio de 46,7% sobre a atual tarifa quilométrica das rodovias paulistas concedidas, o Consórcio BR Vias SP foi o vencedor do leilão do trecho Oeste da Rodovia Marechal Rondon. O corredor Marechal Rondon Oeste tem extensão de aproximadamente 420 quilômetros e receberá investimento de R$ 1,3 bilhão da concessionária vencedora.

O corredor Marechal Rondon Leste ficará a cargo do consórcio Brasinfra, formado pelas empresas Cibe Rodovias, Ascendi e Leão&Leão, que venceu a concorrência com 22,08% de deságio em relação à atual tarifa quilométrica das rodovias.

Com extensão de cerca de 420 quilômetros, o corredor abrange as regiões formadas pelos municípios de Piracicaba, Campinas, Botucatu, Itu e Salto. Nesse trecho, há também 200 quilômetros de estradas vicinais, que receberão benefícios da concessionária vencedora. Serão ainda investidos R$ 1,612 bilhão em melhorias e serviços ao usuário na rodovia.

O Consórcio Triunfo Participações e Investimentos (TPI), que ofereceu um deságio de 59,6%, foi vencedor do leilão para concessão do corredor Ayrton Senna/Carvalho Pinto, que compreende a área leste da região metropolitana da capital e as regiões do Vale do Paraíba e Alto Tietê. O trecho do complexo Ayrton Senna/Carvalho Pinto licitado tem extensão de 140 quilômetros e receberá investimento de R$ 903 milhões da concessionária vencedora.

O Consórcio Integração Dom Pedro I, formado pelas empresas Odebrecht Investimentos e Infra-estrutura e Odebrecht Serviço de Engenharia e Construção, obteve a concessão do corredor Dom Pedro I, que abrange as regiões de Campinas, Jundiaí, Bragança, Itatiba, Paulínia, São José dos Campos, Alto Tietê e Vale do Paraíba. O deságio proposto foi de 15,73% sobre a atual tarifa.

A rodovia Dom Pedro I receberá investimento de R$ 2,410 bilhões em obras de recuperação, sinalização, monitoração e serviços em uma extensão de cerca de 300 quilômetros, além de 80 quilômetros de estradas vicinais.

Link para a matéria

COMMENTS