Situação do trânsito é péssima para 48% dos paulistanos

Pesquisa realizada pelo Movimento Nossa São Paulo e Ibope mostra opinião dos paulistanos sobre mobilidade urbana e qualidade de vida. Mais de 80% dos entrevistados são favoráveis ao rodízio de caminhões

Venda de caminhão tem alta de 11,8% em abril
Scania retoma produção de semipesados
Azul entra para a ponte aérea com 34 voos diários entre SP e RJ

O Movimento Nossa São Paulo apresentou no 22 de setembro, Dia Mundial Sem Carro, os resultados da segunda edição da pesquisa encomendada para o Ibope. Foram entrevistadas 805 pessoas na capital paulista com mais de 16 anos entre os dias 5 e 11 de setembro. As perguntas abrangem os temas relativos à poluição, qualidade de vida e locomoção na cidade. Os resultados são comparados com os da edição anterior. A margem de erro é de, no máximo, 3 pontos percentuais.

De acordo com o levantamento, os cinco principais problemas de São Paulo são, pela ordem: Saúde, Trânsito, Desemprego, Poluição, Segurança Pública e Educação. Quando perguntados sobre o trânsito, 48% dos paulistanos responderam que a situação é péssima e a nota atribuída pelos entrevistados para este tema passou de 3 na pesquisa do ano passado para 2,8 neste ano.

Qualidade de vida

No quesito qualidade de vida, as piores notas atribuídas pelos participantes da pesquisa foram para a fluidez no trânsito, a qualidade do ar e a ocorrência de problemas respiratórios. Dos entrevistados, 94% consideram a poluição um problema grave ou muito grave.

O levantamento também perguntou sobre o tempo de deslocamento na cidade e as respostas apontam para um aumento: em 2007, o tempo médio de deslocamento para a atividade principal era de 1h40 e passou para 2h em 2008.

Alternativas para o carro

Apesar da demora, os paulistanos estão mais dispostos a usar alternativas ao transporte individual. Segundo a pesquisa, diminuiu significativamente a porcentagem de pessoas que não usariam de jeito nenhum o transporte coletivo, em todas as alternativas: em 2007, 21% não usariam o ônibus; neste ano, 3%; em 2007, 18% não usariam o metrô; neste ano, 8%; em 2007, 19% não usariam o trem; neste ano, 11%. Em 2007, 34% não usariam a bicicleta; neste ano, 21%.

A rejeição ao pedágio urbano também caiu, segundo o levantamento do Movimento Nossa São Paulo: em 2007, 84% dos entrevistados eram contra e 13% a favor; Em 2008, 74% são contra e 24% a favor.  A maioria dos entrevistados já é a favor do rodízio de 2 dias: Em 2007, 56% eram contra e 41% a favor; Em 2008, 54% são a favor e 43% são contra.

Grande maioria é favorável ao rodízio de caminhões

A novidade neste ano é a restrição à circulação de veículos de carga na cidade. De acordo com o resultado da pesquisa, 84% dos entrevistados são favoráveis à medida. Quando questionados sobre o que deve ser prioridade para o(a) próximo(a) prefeito(a) no que diz respeito à locomoção, as respostas mais citadas foram, nesta ordem: colocar mais metrô/ampliar o número de linhas; construir novos corredores de ônibus; colocar mais ônibus na frota; construir novas avenidas; melhorar o asfalto/tapar buracos das ruas e avenidas já existentes. 60% das pessoas acreditam que a estruturação dos bairros para evitar grandes deslocamentos teria um grande impacto na sua qualidade de vida e 33% acreditam que o poder público tem “atuado quase nada” neste sentido.

COMMENTS