TNT Mercúrio planeja novas rotas fora

Especializado em entregas expressas, o operador logístico teve avanço de 70 milhões de caixas entregues ano passado para 80 milhões este ano

Porto de Itajaí já recebeu R$ 221 milhões
Movimento nos portos aumenta 23% em 2009 (MT)
Log-In movimenta 82.431 TEUs no 1º trimestre

SÃO PAULO – Com mais de 100 filiais espalhadas pelo País, a TNT Mercúrio, resultado da aquisição da antiga Mercúrio pela holandesa TNT, vê a possibilidade de dobrar as operações rodoviárias para outros países da América do Sul e com isso aumentar a participação do transporte rodoviário internacional de 10% para 20% nos negócios brasileiros da empresa, dentro de até cinco anos. Especializado em entregas expressas, o operador logístico teve avanço de 70 milhões de caixas entregues ano passado para 80 milhões este ano, devido aos investimentos no Brasil, bem como ao aquecimento de setores como o automotivo, de calçados, eletroeletrônicos e farmacêutico. No País, são estimados 100 milhões de euros (aproximadamente R$ 240 milhões, na moeda de ontem) nos próximos 10 anos.

“Quando entramos no País, além do potencial da economia local estávamos de olho também na possibilidade de expandir as operações rodoviárias para outros países da América do Sul ” , comentou Roberto Rodrigues, atual presidente da TNT Mercúrio , em entrevista ao DCI.

Rodrigues contou que a TNT trabalha com duas frentes de liberação de cargas nas fronteiras do Rio Grande do Sul, uma em Sant’Ana do Livramento, fronteira do Brasil com o Uruguai, e outra em Uruguaina, divisa com a Argentina, sendo que a empresa trabalha a abertura de uma terceira frente em São Borja, o que possibilitaria, por exemplo, uma rota direta para Córdoba, sem a passagem por Buenos Aires, capital argentina. Destas divisas, também são feitas entregas no Chile.

O presidente da empresa ressaltou que as cargas para fora são incrementadas atualmente pela força das importações, e que, se concretizados os planos da TNT de pôr aviões próprios nas operações brasileiras em 2009, isso vai possibilitar ainda uma ligação direta do País com a Europa e a Ásia. Apesar disso, a TNT ainda não definiu se trará aeronaves da frota mundial, ou se comprará os cargueiros. Hoje, as remessas aéreas são realizadas em parceria com várias companhias aéreas.

No mercado doméstico, as entregas de cargas para o setor calçadista representam a principal atividade, com cerca de 20% dos negócios, seguida pelo setor automotivo, em que a TNT movimenta as peças da indústria para as revendas, seguido pelo eletroeletrônico e pelo farmacêutico, porém a empresa atende a outros setores econômicos. As operações ao setor calçadista estão mais concentradas nas Regiões Sul e Nordeste brasileiras, enquanto as da indústria de automóveis estão espalhadas por todo o País, onde a TNT mantém cerca de 130 filiais.

Em setembro próximo, será concretizada ainda a ampliação de um terminal de movimentação de cargas no Rio de Janeiro, que deve triplicar sua capacidade. “No Rio, vamos passar de 3,8 mil m² para 11 mil metros de infra-estrutura”, calculou o executivo-chefe da empresa, ao lembrar do programa de renovação de frota que está em andamento.

A Mercúrio pretende adquirir 400 veículos até o final de 2008, mas até este mês a empresa fechou a compra de 80 caminhões pesados. A companhia, porém, afirma que mesmo com as filas de espera atuais pretende cumprir a meta, uma vez que acredita terem diminuído de forma relevante. “O tempo de espera melhorou”, disse Rodrigues, ao complementar que a compra será pulverizada em veículos de vários portes, entre 3,5 mil toneladas e 25 mil toneladas, de diversas marcas -uma parte será para renovação e outra irá somar-se à frota, composta hoje de 1,5 mil unidades.

Frete

Sobre os atuais custos operacionais, o presidente da TNT no Brasil confirmou que realmente tem sido elevados pelo alto preço dos combustíveis, gasto que está na casa dos 10%, sendo impossível não repassá-lo ao preço do frete para os clientes, mas ele colocou que a negociação caso-a-caso é essencial para minimizar perdas para os dois lados, e ainda lembrou a questão do rodízio de caminhões na cidade de São Paulo, onde circulam pelo menos 120 veículos da empresa, fato que tem onerado as operações na região.

Atual presidente da empresa, Roberto Rodrigues é administrador e atua na há mais 10 anos na TNT, onde assumiu a presidência da unidade brasileira desde a aquisição da Mercúrio. Antes da área de logística, atuou como executivo na Estrela, gigante do ramo de fabricação de brinquedos.

Sediada na Holanda, a TNT mantém boa parte de sua infra-estrutura nos continentes europeu e asiático. Sua cadeia mundial de filiais permite a operação de entregas expressas em mais de 200 países. No ano passado, a empresa registrou globalmente um lucro operacional de 1,192 milhão de euros e está listada na Bolsa de Valores de Amsterdã.

A TNT Mercúrio, uma das maiores operadoras logísticas de entregas expressas do País, e braço da gigante holandesa TNT, prevê dobrar as operações internacionais na América do Sul, em até cinco anos. “Quando entramos no País, além do potencial econômico local estávamos de olho em expandir as operações rodoviárias para mais países”, disse ao DCI Roberto Rodrigues, presidente da TNT. Em dez anos, a empresa planeja um aporte no País de 100 milhões de euros (cerca de R$ 240 milhões), em infra-estrutura e frota.

Link para a matéria

COMMENTS