TAM se destaca entre empresas do setor aéreo

A companhia aérea reverteu o prejuízo de R$ 28,6 milhões registrado no segundo trimestre do ano passado, encerrando o segundo trimestre deste ano com um lucro líquido de R$ 50,2 milhões

Em São Paulo, preço de passagem de ônibus intermunicipal terá reajuste
TIControle discute qualidade na contratação de bens e serviços de tecnologia da informação
Área de logística projeta consolidação no próximo ano

SÃO PAULO, 22 de agosto de 2008 – Apesar da alta do preço do barril do petróleo no mercado internacional, a companhia aérea TAM tem conseguido manter bons resultados, se destacando entre as empresas do setor.

A companhia aérea reverteu o prejuízo de R$ 28,6 milhões registrado no segundo trimestre do ano passado, encerrando o segundo trimestre deste ano com um lucro líquido de R$ 50,2 milhões. No acumulado do primeiro semestre, isto representou um crescimento de 72,7%, contra prejuízo de R$ 290,86 da Gol no mesmo período deste ano.

As ações da empresa, no entanto, continuam descontadas, acumulando perda de 22,46% neste ano, até quarta-feira, contra queda de 13,31% do Ibovespa no período. Segundo o analista do setor de transporte e logística da Bradesco Corretora, Edigimar Maximiliano, os papéis foram muito penalizados com o preço do barril de petróleo batendo a casa de US$ 150 neste ano. A corretora está com recomendação de compra para as ações da TAM, com preço-alvo de R$ 48, o que representa potencial de alta de 47,2% em relação ao fechamento da última quarta-feira de R$ 32,60.

Segundo Maximiliano, o P/L dos papéis projetado para o final deste ano, que expressa a relação do preço sobre o lucro, ainda está baixo em torno de 6,5 vezes.

Para a analista da Link Investimento, Maria Tereza Azevedo, a TAM conseguiu repassar parte do alta dos custos para as passagens, uma vez que tem forte atuação entre o nicho de clientes corporate, apresentando aumento de tarifa média de cerca de 20% neste ano. A corretora está com recomendação neutra para a ação.

Maximiliano destaca que as companhias brasileiras ainda apresentam a vantagem de contar com uma frota de aeronaves relativamente nova, o que impacta em economia de combustível, diferente das empresas aéreas norte-americanas. De acordo com o reportado no balanço da TAM, a companhia apresentou um crescimento de 54,2% no seus gastos com combustíveis no segundo trimestre, que somaram R$ 988,6 milhões. “Se o preço do petróleo se estabilizar na casa dos US$ 120 será bom para elas, mas acima disso, já fica mais difícil repassar o aumento dos custos para o preço das passagens”, diz.

As operações no mercado internacional também contribuíram para o aumento dos resultados, representando hoje, segundo Maria Tereza, cerca de 25% do total das receitas da empresa.
A TAM apresentou aumento da participação no mercado internacional entre companhias aéreas brasileiras de 72,8%, no segundo trimestre de 2007, para 74%, no segundo trimestre de 2008, gerando um aumento de RPKs (medida pelo número de passageiros pagantes multiplicado pelos quilômetros percorridos) de 29,3% no período. “A valorização do real frente ao dólar tem contribuído para elevar a demanda por vôos internacionais”, afirma Maria Tereza.

Com isso, a margem da empresa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização e leasing de aeronaves (Ebitdar, na sigla em inglês) foi de 12% , somando R$ 300,7 milhões no segundo trimestre deste ano, comparado com R$ 252,4 milhões registrados um ano antes, que representou uma redução na margem de Ebitdar de 0,9 p.p. no período.

Concorrência no mercado

Para Maximiliano, a entrada no mercado da companhia aérea Azul no Brasil não deve ter grande impacto para as operações da TAM, uma vez que a nova empresa deve atuar mais em rotas de vôos regionais, operando com tarifas menores para atingir um nicho de clientes de menor renda que a TAM não costuma focar. A TAM apresentou um crescimento de 11% na demanda no mercado doméstico no segundo trimestre de 2008, quando comparado ao mesmo período do ano passado, e crescimento de 16,2% na oferta, no mesmo período.

Em decorrência desses fatos, a taxa de ocupação da indústria apresentou uma redução de 3,2 pontos percentuais, atingindo porcentagem de 67,7% no segundo trimestre de 2008. (Silvia Rosa – Gazeta Mercantil)

Link para a matéria

COMMENTS