Seguradoras já falam em baixar os preços por causa da Lei Seca

No Paraná, a possibilidade de queda nos preços é confirmada pelo Sindicato das Empresas de Seguros

Randon discute nova flexibilização da jornada
Caminhoneiros dirigem mais de 16 horas ao dia
Leilões de rodovias federais ocorrerão ainda no primeiro semestre

Em vigor há pouco mais de um mês, a Lei Seca tem poder para mexer com o mercado das seguradoras de veículos. A expectativa do setor é que, com um número menor de acidentes causados pelo álcool, as apólices comecem a ficar mais baratas nos próximos meses. Algumas empresas chegam a estimar uma queda de até 15% no valor cobrado dos consumidores.

No Paraná, a possibilidade de queda nos preços é confirmada pelo Sindicato das Empresas de Seguros Privados, de Resseguros, de Previdência Complementar e de Capitalização (Sindiseg-PR). No entanto, o diretor-executivo do sindicato, Ramires Fernandes Dias, acredita que, mesmo com a queda de 20% nos acidentes registrada nos últimos 30 dias no estado, ainda é cedo para falar de reajustes concretos. “O dado representa toda a frota circulante, não a segurada, que corresponde a apenas 30% dos carros”, explica.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), o seguro automotivo registrou queda nos preços de 0,82% em junho. Até o dia 22 deste mês, a apólice caiu mais 0,09%. “A tendência até o fim de julho deve ser de baixa”, considera o economista do instituto, André Braz. Hoje, o valor de uma apólice de seguros é calculado com base em riscos de acidentes e de furtos ou roubos. “Os acidentes influenciam em aproximadamente 40% do custo. Para um seguro de R$ 1 mil, caso a redução no número de acidentes se mantenha em 20%, o reajuste será sobre os R$ 400 correspondentes ao fator acidente, ou seja, haverá desconto de R$ 100, ou 10%”, explica Dias, do Sindiseg-PR.

A expectativa de diminuição no valor final da apólice é validada inclusive por algumas seguradoras. Segundo o diretor da regional Sul da Allianz Seguros, Eduardo Grillo, haverá benefícios para o consumidor. “É cedo para calcular um porcentual exato, mas, se as pessoas respeitarem a lei, certamente o número de sinistros diminuirá e repassaremos isso para o nosso cliente, em preço”. Na HDI Seguros, a estimativa é que os preços caiam, em média, 15%, caso a mudança no hábito dos motoristas seja real. Diz o diretor de automóvel da HDI, Eduardo Dal Ri: “Se os motoristas realmente não dirigirem alcoolizados e se esse comportamento se confirmar, certamente, o preço vai diminuir, mas vamos esperar mais alguns meses. Não só seguros de veículos, mas seguros de saúde, de vida e transportes serão alterados com essa nova realidade”.

Por meio de nota, a Federação Nacional de Seguros Gerais (Fenseg) estabeleceu um prazo de três meses para que o mercado reavalie os preços do seguro de automóvel e incorpore os efeitos positivos da Lei Seca. Dados da fundação apontam que as indenizações pagas por colisões (com perda total ou parcial) representaram 54% (R$ 2,5 bilhões) dos desembolsos totais no ano passado. “Pode ser que isoladamente alguma seguradora já baixe o preço, mas o mercado terá uma visão melhor dos impactos da Lei Seca dentro de alguns meses. Se caírem as vítimas de acidentes de trânsito e baixarem os sinistros por colisões, tudo vai diminuir e impactar no preço do seguro”, afirma o presidente da federação, Jayme Grafinkel.

Prudência – Para o economista e consultor da Escola Nacional de Seguros (Funenseg), Lauro Faria, a prudência das seguradoras é compreensível. “No Brasil, quando se trata de lei nova, é ideal esperar e ver como o mercado reagirá”. Os preços mais acessíveis poderão fazer com que mais pessoas tenham acesso a esse tipo de serviço. “Pessoas com carro há mais de cinco anos acabam não contratando seguro pelo valor alto”, salienta Grillo, da Allianz. “Se pudermos fazer os repasses, mais pessoas entram no público que consome seguros, que ainda é muito restrito à classe alta”, enfatiza Dal Ri, da HDI.

Consumidor – A auditora Mariele Juliatto Froner precisou acionar sua seguradora há pouco mais de uma semana e considera o serviço um “mal necessário”. “Se o valor cair mesmo, vai ser muito bom. Neste ano, precisei gastar R$ 1,3 mil ”. Sobre a Lei Seca, Mariele diz que tem evitado sair com o carro à noite. “Não quero arriscar minha vida nem de cair numa blitz, então, procuro beber em casa mesmo.”

 

COMMENTS