Estado investe R$ 120 milhões em estradas

Ligação entre Ribeirão Pires e a Zona Leste da Capital, conhecida como a estrada da Quinta Divisão -, terão a construção de rotatórias e de novos acessos, além de recapeamento e recuperação dos acostamentos

Câmara aprova federalização de rodovias em MT e ferrovias em SC
STF suspende medida provisória, mas decisão não deve ter efeito prático imediato
Preço de passagem sobe 36,15% até novembro

Representantes do DER (Departamento de Estradas de Rodagem), do governo estadual, anunciaram ontem em Ribeirão Pires investimento de cerca de R$ 120 milhões em uma série de intervenções em estradas da região. As rodovias Índio Tibiriçá (SP-31) e Deputado Antônio Adib Chammas (SP-122) e o Ramal Sapopemba – ligação entre Ribeirão Pires e a Zona Leste da Capital, conhecida como a estrada da Quinta Divisão -, terão a construção de rotatórias e de novos acessos, além de recapeamento e recuperação dos acostamentos.

Além destas vias, estão em obras duas importantes ligações na região, a Estrada das Sete Cruzes, que liga Ribeirão Pires a Suzano, e a Avenida Dona Benedita Franco da Veiga, em Mauá. A recuperação das duas faz parte do Pró-Vicinais (Programa de Recuperação de Estradas Vicinais) e tem investimento de R$ 6 milhões.

A expectativa dos técnicos do DER é de que as obras das estradas tenham início em setembro, mas a data depende da finalização do processo licitatório, que tem entrega de propostas prevista para 30 de julho. O prazo de entrega é de 12 meses após o início.

Entre as intervenções propostas, estão a construção de cinco rotatórias e uma alça de acesso na Rodovia Índio Tibiriçá, além de recuperação de um viaduto em Ribeirão Pires – conhecido como Ponte Seca. O investimento na SP-31 será de R$ 73 milhões e contemplará ainda a segregação das pistas em vários pontos para minimizar a ocorrência de acidentes e atropelamentos.

Importantes acessos no perímetro urbano de Ouro Fino Paulista e Jardim Caçula, em Ribeirão Pires, se completarão com duas outras rotatórias executadas nos acessos à cidade. A Rodovia Índio Tibiriçá terá ainda uma ligação direta com a SP-122, que liga Ribeirão Pires a Paranapiacaba, passando por Rio Grande da Serra.

Com as obras a serem executadas e a finalização do Trecho Sul do Rodoanel, o diretor regional do DER da Grande São Paulo, Deni Loretti Filho, descartou a duplicação da Índio Tibiriçá. “Os estudos que temos apontam que os caminhões deixarão de circular pela rodovia e a Índio Tibiriçá ficará com o trânsito basicamente local e comportará esse fluxo por um bom tempo.”

Única ligação para Paranapiacaba, em Santo André, a SP-122 terá também importantes obras, com três novas rotatórias – na intersecção com a SP-31, na Avenida Francisco Tometich e em frente à indústria química Solvay -, além de um novo acesso na chegada a Rio Grande da Serra. A via será totalmente recapeada e terá a pavimentação dos acostamentos. O custo será de R$ 25 milhões.

O Ramal Sapopemba, via subutilizada em razão do péssimo estado de conservação, consumirá outros R$ 22 milhões para sua recuperação, que inclui obras em pontes no trecho urbano no bairro Quarta Divisão, em Ribeirão Pires, além de quatro novos acessos e recapeamento e recuperação dos acostamentos, que permitirão a ligação com a Capital.

A Prefeitura de Ribeirão Pires recebeu as intervenções como um pacote de boas notícias, já que, como contrapartida, arcará apenas com as desapropriações que venham a ser feitas. O secretário de Obras, Agostinho Coutinho Gomes, disse que ainda não há como estimar o custo, já que não se sabe quantas desapropriações serão necessárias. 

COMMENTS