“Se depender das transportadoras, não haverá desabastecimento”, dizem as empresas

“Se depender das transportadoras, não haverá desabastecimento”, dizem as empresas

Empresários do transporte estão empenhados em manter as operações na normalidade e prometem que não haverá desabastecimento. Rotina nas entregas muda devido à pandemia do Coronavírus

Etanol deixa de ser financeiramente vantajoso em 23 estados
Caminhão tanque de abastecimento de aeronaves da Arxo atende Aeroporto de Congonhas (SP)
Conab retoma atividades de fiscalização dos estoques públicos

O Brasil vive um momento delicado. A economia nacional sofre com a queda da atividade econômica devido à pandemia do Coronavírus, que ameaça chegar com força ao País. Os governos recomendam que as pessoas fiquem em casa, eventos e reuniões estão sendo cancelados e o efeito disso é a desaceleração da economia e o risco de desabastecimento, de falta de serviços e de dificuldades financeiras para diverso setores.

Para o transporte de cargas, a situação é delicada: os quadros administrativos das empresas de transporte estão trabalhando de casa em grande número, mas as operações, que não podem parar, demandam a presença dos trabalhadores. Conferentes, ajudantes, carregadores, supervisores, encarregados, motoristas: a circulação de cargas dependem do trabalho destes profissionais, que estão em alerta, tomando as devidas precauções para que não haja nem contágio coletivo, nem paralisação das operações.

Empresas estão empenhadas

A reportagem da Agência Transporta Brasil conversou com exclusividade com um dos representantes das transportadoras, o empresário Tayguara Helou. Ele é presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas de São Paulo e Região e também atua no segmento de transporte de cargas fracionadas. De acordo com Tayguara, não há risco de desabastecimento. “Se depender das empresas de transportes, o Brasil não ficará desabastecido. Estamos montando planos de contingenciamento e orientando nossas forças de trabalho sobre como lidar com a situação e prevenir o contágio. Muitas empresas usam smartphones para fazer a baixa de entregas e orientamos a higienizar os caminhões, as canetas e todo material manuseado pelas equipes, por embarcadores e pelos destinatários. Além disso, estamos suspendendo reuniões, treinamentos e encontros presenciais e priorizando os contatos virtuais, quando é possível. O Brasil nunca precisou tanto do transporte rodoviário de cargas e estamos aqui para ajudar e fazer a nossa parte”, disse
o dirigente setorial.

Com o risco de crise financeira, Tayguara Helou lembrou que os governos estadual e federal estão trabalhando para minimizar os impactos do vírus. “Existem medidas sendo tomadas, como carências e prazos maiores para o recolhimento de tributos e obrigações das empresas. Estamos vendo que os governos estão com boa vontade para ajudar as empresas e toda a sociedade a passar por esta crise e, em breve, estaremos de volta à normalidade”, complementou Helou.

Ouça nosso boletim da Rádio Agência Transporta Brasil com o áudio da entrevista com Tayguara Helou

Leo Doca – Agência Transporta Brasil (ATB)
leodoca@transportabrasil.com.br

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS