TRC brasileiro registra excesso de caminhões em atividade

TRC brasileiro registra excesso de caminhões em atividade

Estima-se 350 mil veículos a mais do que a demanda necessita; endividamento do setor está estimado em R$ 40 bilhões

Produção e licenciamento de caminhões mostram queda em junho
RTE Rodonaves assume concessionárias Iveco de Campinas e Caçapava, em São Paulo
Motoristas de caminhão e ônibus terão de realizar exame toxicológico para tirar ou renovar CNH

transito-caminhos-santos

De acordo com informações divulgadas no dia 22/7, em Brasília (DF), durante a reunião do Grupo 3 que integra o Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário de Cargas, a atual frota nacional de caminhões concorre com 350 mil veículos a mais do que a demanda necessita.

O estudo foi apresentado por entidades convidadas para fazer uma análise das rodovias brasileiras e da frota nacional de transporte rodoviário de cargas. Os dados apontam que o aumento vertiginoso no número de caminhões lançados no mercado começou a ser mais expressivo a partir de 2012, período de retração do PIB. Os programas incentivadores como o Finame e Procaminhoneiro aliados à expectativa de crescimento da economia com boas margens de lucro para o setor de transporte foram os ingredientes cruciais para consolidar a atual conjuntura de turbulência. O setor amarga um endividamento estimado em R$ 40 bilhões.

“Em períodos como esse, precisamos ver com uma lupa todos os fatores que compõem o transporte de cargas. Grandes medidas são necessárias, mas não bastam, pequenas soluções precisam se somar para que o setor se recupere e que os caminhoneiros, principalmente os autônomos, consigam prosseguir com suas atividades sem perder seus veículos que foram adquiridos com muito sacrifício”, disse Diumar Bueno, presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos e participante do Grupo 3.

Para o Fórum TRC foram formados três grupos de discussões. Um deles trabalha na renegociação da dívida dos transportadores autônomos de cargas, outro na infraestrutura para o cumprimento da Lei dos Caminhoneiros, e o último estuda o modelo de concessão pela menor tarifa.

COMMENTS