Gerenciamento de riscos evitou perda de R$ 26 bi em cargas roubadas entre 2005 e 2013

Gerenciamento de riscos evitou perda de R$ 26 bi em cargas roubadas entre 2005 e 2013

Número de roubos e furtos registrados subiu de aproximadamente 2,5 mil para 32,2 mil em nove anos

MG é o Estado com mais acidentes envolvendo caminhões
Gigante dos contêineres Maersk encomenda 110 caminhões elétricos Volvo norte-americanos
DAF Caminhões treina 400 integrantes da rede de concessionários

roubo-cargas-pf

A GRISTEC (Associação Brasileira das Empresas de Gerenciamento de Risco e de Tecnologia de Rastreamento e Monitoramento) apresentou no último dia 19/3 a primeira radiografia do mercado brasileiro de rastreamento de veículos e cargas.

A pesquisa apontou dados relevantes que explicam a conjuntura do transporte de cargas no que tange ao risco que a atividade se expõe. Por exemplo, o número de roubos e furtos subiu de aproximadamente 2,5 mil em 1994 – ano em que foram coletados os primeiros dados dessa categoria – para 32,2 mil em 2013, o que significa o maior pico já alcançado.

Por outro lado, nesse mesmo período, 563 mil tentativas de furto ou roubo foram malsucedidas por conta da aplicação de tecnologias antifurto e centrais de monitoramento.

Graças aos roubos e furtos evitados entre 2005 e 2013, foram economizados R$ 26 bilhões. Já o valor estimado das mercadorias gerenciadas ficou acima de R$ 650 bilhões.

“As tecnologias e os serviços de rastreamento e gerenciamento de riscos são vitais para que as cadeias logísticas não sejam completamente destruídas pela ação de criminosos”, comenta o presidente da GRISTEC, Cyro Buonavoglia.

O estudo também apresenta o tamanho dos mercados de gerenciamento de riscos e rastreamento veicular no Brasil. Atualmente, esses setores empregam diretamente cerca de oito mil pessoas. Os colaboradores indiretos correspondem a quatro mil.

“Se levarmos em conta que as estruturas trabalham principalmente com tecnologia, área em que o número de funcionários costuma ser reduzido, a quantidade de empregos gerada é expressiva”, explica o diretor responsável pela área de gerenciamento da entidade, Evandro Vaz.

As empresas envolvidas no segmento correspondem aproximadamente a 300 empresas, que contemplam atualmente 100 lojas próprias e duas mil lojas credenciadas no País.

O número de clientes gira em torno de 740 mil, e 2,3 milhões de veículos possuam sistemas de monitoramento e rastreamento, o que representa apenas 5% do total de veículos que hoje circulam o Brasil.

COMMENTS