Maioria dos empresários do transporte não crê em desenvolvimento da economia em 2014

70,9% dos entrevistados em levantamento realizado pela CNT não acreditam em elevação da taxa de crescimento do PIB em 2014

TAP bate recordes nos resultado do 3º trimestre
Frota de aeronaves cresce 6,4% no Brasil
Grupo Zatix tem novo presidente e planeja retomada do crescimento

MG-050-rodovia

Segundo um levantamento realizado pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), a Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 – Fase 1, foi constatado que empresários dos modais rodoviário, ferroviário e hidroviário estão menos otimistas com os rumos da economia em 2014. Mais de 500 profissionais da área de cargas e de passageiros foram ouvidos.

Do total de entrevistados, 70,9% não acreditam em um aumento do dinamismo da economia brasileira. Eles acham que não haverá elevação da taxa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2014.

Apenas 29,1% apresentam otimismo. Em 2013, 42,9% dos entrevistados acreditavam no aumento do crescimento econômico. Já no segundo semestre do ano passado, a proporção era de 30,3%.

“Esse resultado pode estar relacionado também, entre outros fatores, à elevação da taxa de juros, à expectativa de elevação do preço dos insumos e à dificuldade do governo federal em realizar os investimentos necessários”, diz o presidente da CNT, senador Clésio Andrade.

Sobre as expectativas em relação às obras de infraestrutura também cresce a desconfiança (52,3%). Para a maior parte deles, o menor desempenho da economia é consequência da política econômica adotada no país (78,9%), contra 20,1% que acreditam haver reflexos de crises econômicas referentes a outros países.

A falta de planejamento é apontada como o principal motivo para que o governo não realize os investimentos autorizados. Quase a metade dos entrevistados (49,7%) acredita na manutenção das atuais condições de infraestrutura de transportes e 27,6% consideram que vai melhorar.

“O investimento em infraestrutura, a desoneração do diesel, redução da carga tributária e a desburocratização são questões apontadas como urgentes para serem solucionadas”, diz Andrade.

COMMENTS