Truckvan bate recorde na entrega de carretas e veículos customizados em 2013

Empresa produziu 133 unidades móveis, sendo o maior número consolidado em um ano pela companhia

Edra Aeronáutica vende duas aeronaves anfíbias para a Austrália
Volvo leiloa novo FH na internet e tem arrecadação recorde
Rodobens Consórcio somou R$ 146,5 milhões em planos para veículos em 2010

truckvan-unidade-movel

A Truckvan, fabricante brasileira de implementos rodoviários e carretas customizadas, entregou, em 2013, 133 carretas e veículos sob encomenda, as chamadas unidades móveis. Foram 45 para a área de treinamento, 36 para defesa e segurança, 24 para saúde, 15 para serviço e 13 para eventos. Número consolidado corresponde ao recorde anual da companhia, há 17 anos no mercado.

As unidades móveis são as principais responsáveis pelo expressivo crescimento da Truckvan nos últimos anos. Em 2013, a empresa produziu 43 Unidades a mais do que em 2012. Já em 2011, 75 foram entregues, 15 a mais do que 2010. Para alcançar este resultado, a empresa investiu na ampliação da unidade fabril da rodovia Fernão Dias, quase dobrando sua capacidade instalada já em meados do mês de maio de 2013.

“As unidades móveis são usadas como clínicas médicas, escolas de capacitação profissional, backstage para artistas e eventos, e uma série de possibilidades que trazem mais mobilidade e rapidez na execução do serviço oferecido”, afirma Alcides Braga, sócio-diretor da Truckvan.

A Truckvan passou a fornecer equipamentos para as áreas de defesa e segurança, produzindo a POE (Plataforma de Observação Elevada), com o objetivo de monitorar áreas públicas durante a Copa das Confederações e a Copa do Mundo de 2014. Também foram desenvolvidos os veículos Shelter, modelos que obedecem às normas militares e são usados como abrigos de telecomunicações pelo exército brasileiro.

“Entendemos que as POEs serão um dos grandes legados da Copa do Mundo porque ficarão aqui no Brasil e poderão ser usadas pelas polícias em eventos, manifestações e datas comemorativas”, explica Braga.

COMMENTS