TNT recorre à tecnologia para otimizar operações no Brasil

Meta da empresa é ter todos os volumes verificados por scanners em suas filiais; terminais de São Paulo, Campinas (SP) e Porto Alegre (RS) já contam com operação 100% automatizada

Panalpina inaugura armazém no aeroporto de Manaus (AM)
Ford cria plano de manutenção pré-paga para frotistas
Ford inaugura distribuidor Divem Caminhões, em Macaé (RJ)

tnt-express

A transportadora TNT está investindo em tecnologia aplicada em transportes como labelling (etiquetagem com código de barras), scanning (conferência eletrônica de cargas) e sorters (equipamento de separação automatizada de ca rgas) em sua operação doméstica brasileira.

A empresa quer ter todos os volumes verificados por scanners em suas filiais. Hoje, os terminais de São Paulo, Campinas (SP) e Porto Alegre (RS) já atingiram essa meta e têm as cargas conferidas eletronicamente.

“Tecnologia é um tema estratégico para a TNT e buscamos constantemente inovar e investir nesta área”, comenta Fabiano Fração, diretor de tecnologia da TNT Brasil.

Os sorters da TNT instalados em São Paulo e Campinas já apresentam um aumento de 57% no volume de cargas processadas com o mesmo número de profissionais. Nos locais são movimentados quase cinco mil volumes por hora, número pelo menos duas vezes maior que o realizado antes da implementação.

“O processo de descarga e separação de carga hoje dura em média 40 minutos nesses terminais. Essa atividade chegava a levar até oito horas em alguns casos. Nossa expectativa inicial foi atingida: conseguimos reduzir drasticamente o tempo do processo e, consequentemente, o tempo de trânsito oferecido ao cliente, demonstrando muita agilidade e confiabilidade para o mercado” , destaca Fração.

A implementação dos sorters começou com um estudo realizado em 2009 e a operação foi iniciada no primeiro trimestre de 2011.

“Só tivemos benefícios com os investimentos em automação: reduzimos a chance de extravio com o escaneamento, aumentamos a rastreabilidade das remessas, tivemos aumento de produtividade e melhora nos prazos de entrega e redução da necessidade de contratação de terceiros em períodos de pico”, afirma o executivo.

COMMENTS