Polícia Rodoviária Federal inicia hoje greve nas estradas de SP

Polícia Rodoviária Federal inicia hoje greve nas estradas de SP

Durante a greve só 30% do efetivo estará em operação, priorizando o atendimento de acidentes. A orientação é para que as multas continuem sendo aplicadas

Correios entram em greve em quase todo o País
Agentes da CET de SP faltam ao trabalho para doar sangue por melhores salários
CET SP faz nova proposta e greve deve ser suspensa

Os agentes da Polícia Rodoviária Federal em exercício no Estado de São Paulo darão início hoje, a partir do meio-dia, a uma paralisação por prazo indeterminado. Segundo o sindicato da categoria, não haverá operação-padrão, em acordo com a proibição imposta pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Os motoristas, porém, devem enfrentar transtornos.

Hoje, às 13h, a categoria fará um protesto em frente à Superintendência da corporação, às margens da via Dutra, na zona norte da capital. Desde segunda-feira (20), policiais rodoviários federais de outros Estados também aderiram às paralisações.

A categoria afirma que a via Dutra não será fechada. Durante a greve, diz o sindicato, só 30% do efetivo vai trabalhar, priorizando o atendimento de acidentes. A orientação é para que as multas continuem sendo aplicadas.

Além da via Dutra, outras rodovias federais como a Régis Bittencourt e a Fernão Dias deverão ser afetadas pela paralisação. “Vamos atender a população e manter o serviço essencial, ajudar as vítimas, retirar os veículos, mas não vamos dar seguimento ao aspecto administrativo, como a elaboração dos boletins de acidente de trânsito”, afirma o inspetor Orival Aguilar, membro da Comissão Regional de Mobilização do sindicato.

Ontem (23), representantes da Polícia Federal e PRF se reuniram com o Ministério do Planejamento para ouvir a oferta do governo, cujo limite orçamentário é de aumento de 15,8%, diluídos nos próximos três anos. Ao final da reunião, as duas categorias decidiram manter a greve.

O ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) afirmou que não haverá tolerância diante de “abuso de direito de greve”, e não descartou a demissão de agentes em casos extremos.

COMMENTS