Restrição de caminhões em SP reflete no trânsito das cidades do interior

Rodovia Castello Branco já passa por obras de ampliação para comportar o aumento de fluxo, evidenciando a ineficiência do planejamento na aplicação da medida

Lei dos motoristas entra em vigor dia 11 de setembro
Concessionária Metro-Shacman de Sorriso (MT) vende 20 caminhões para setor do agronegócio
Foton vendeu quase meio milhão de veículos comerciais só na China em 2015

A restrição ao trânsito de caminhões, imposta pelo prefeito Gilberto Kassab, em março deste ano, nas marginais e outras diversas avenidas da capital paulista, trouxe reflexo até para o trânsito em cidades do interior do Estado.

Para o motorista que sai de Sorocaba (SP) e segue para a capital, já é possível perceber o tráfego pesado até nas principais avenidas locais.

Durante a semana, a rodovia Castello Branco fica praticamente parada logo depois de Araçariguama (SP). Em dias mais complicados, o engarrafamento chega até o km 41, em Santana de Parnaíba (SP). A medida proíbe o tráfego de caminhões pela Marginal Tietê e outras 25 ruas e avenidas entre 5h e 9h e entre 17h e 22h.

A concessionária que administra a rodovia está construindo uma quarta faixa na pista, para tentar absorver o aumento de fluxo, mas esbarrou em uma questão ambiental, na altura do km 26, em Barueri (SP). Seria preciso o corte de árvores para alargar o trajeto. A previsão é que a licença ambiental para a continuação da intervenção seja expedida em novembro. A partir daí, a obra deve ser entregue em noventa dias.

COMMENTS