Governo quer criar empresa mista para planejamento de logística em transporte

Governo quer criar empresa mista para planejamento de logística em transporte

Empresa vai planejar e acompanhar as ações e o os projetos da área de transporte com o objetivo de promover a integração logística no País, com sede em Brasília (DF) e escritórios em São Paulo e Rio de Janeiro

Trecho leste do Rodoanel já mostra seus primeiros contornos
Consórcio Maggi oferece condições especiais para a aquisição de caminhões Volkswagen
Uma fábrica renascida das cinzas e receita recorde aos 70 anos

O Governo Federal editou uma Medida Provisória que cria a Empresa de Planejamento e Logística S.A. (EPL). A empresa vai planejar e acompanhar as ações e o os projetos da área de transporte com o objetivo de promover a integração logística no Brasil.

Pela proposta, a EPL será constituída nos moldes de sistemas jurídicos das empresas privadas, e seus funcionários serão regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A companhia terá sede em Brasília (DF), com escritórios no Rio de Janeiro e em Campinas (SP), mas poderá criar novos conforme a necessidade.

O texto determina ainda que a instituição será organizada como sociedade anônima de capital fechado e que a União deterá, no mínimo, 50% mais um das ações ordinárias. A União integralizará o capital social da EPL e promoverá a constituição inicial de seu patrimônio.

Nos primeiros 48 meses de funcionamento, a empresa poderá contar com servidores e empregados cedidos de outros órgãos públicos. A instituição também poderá contratar empregados temporários, por meio de processo simplificado, pelo prazo de 36 meses. Ao final dos contratos, esses profissionais não poderão ser efetivados.

Ainda de acordo com a medida, a EPL também terá como competência realizar pesquisas e desenvolver tecnologias em transporte, assim como contratar institutos de pesquisa e inovação para essa finalidade. Para a contratação da empresa por órgãos públicos, não será necessária licitação.

Caso a medida não seja votada pelo Congresso até 13 de dezembro, o texto perde a validade.

COMMENTS