Conheça os 10 erros mais comuns na gestão de manutenção de frota

De acordo com especialista, subestimar a importância da manutenção no processo produtivo e ignorar a responsabilidade cível implícita na atividade, pode levar a um grande prejuízo para as empresas

ANTT autoriza reajuste de uma série de praças de pedágios
Caminhão Volkswagen leva Unidade Móvel de Mamografia para atendimentos em SP
MAN oferece TGX com manutenção gratuita até o final de junho

O engenheiro mecânico automobilístico, Walter Alves de Oliveira Junior atuou 17 anos na gestão de manutenção de frota de importantes empresas brasileiras como a Viação Cometa e a Braspress e é membro do Comitê de caminhões e ônibus do SAE Brasil.

Walter, baseado em sua experiência, definiu quais são os 10 principais equívocos que as empresas que possuem frota própria, têm cometido na gestão deste departamento.

1- Manutenção:

É comum encontrar empresas em que a manutenção da frota é considerada como prejuízo. A Manutenção quando tratada de forma séria e correta, como um processo importante da cadeia produtiva, se torna uma fonte inesgotável de informação e de fundamental importância na gestão financeira.

Ainda não existe frota que não necessite de manutenção e esta, quando bem executada, otimiza os custos e traz ótimos resultados de produtividade.

2- Mão de obra qualificada na liderança da gestão da manutenção:

A responsabilidade por esse setor, frequentemente fica a cargo de um profissional com muitos anos de empresa, que, por mais que conheça o processo, não tem um aperfeiçoamento técnico e teórico adequado.

A manutenção é uma área de estudo cientifico da engenharia e é preciso ter um conhecimento apurado e atualizado.

3- Treinamento:

Treinar e requalificar constantemente a mão de obra. A tecnologia automotiva muda a cada instante e novos processos, conceitos, equipamentos de diagnósticos, insumos mudam na mesma velocidade e esta atualização no conhecimento dos profissionais de manutenção é de fundamental importância.

4- metas e índices de controle:

Trabalhar sem metas bem estabelecidas e índices de controle que possam ser medidos adequadamente prejudica a evolução dos trabalhos.

Os índices de controle estão para um gestor de manutenção como uma bússola está para o capitão de um Navio. É por meio deles que podemos entender a real situação e tomar ações cabíveis.

5- Manutenção corretiva, preventiva e preditiva

Entender e compreender o significado destes três tipos de manutenção é fundamental. A manutenção corretiva é muitas vezes tratada como a única forma de executar uma intervenção no veículo.

Todos os veículos saem de fábrica com um manual de instruções e neste consta as principais intervenções preventivas a serem efetuadas nos vários componentes do veículo, basta executa-las.

A Preditiva resulta em maior economia financeira, menos descarte de material e perda na produção do equipamento ou de sua vida útil.

6- Check-list

No intervalo entre as manutenções preventivas devem ocorrer vistorias periódicas. A realização do Check-List do veículo não é responsabilidade exclusiva do departamento de frota. O operador da maquina “motorista” e os mecânicos, eletricistas, borracheiros devem ter esse hábito também.

A abertura das Ordens de Serviço e todo o tramite para a analise do problema até a intervenção deve ser informatizado para manter confiabilidade dos dados coletados e deve ser mantido uma boa relação entre mecânico e motorista.

7- Suprimentos – estoque e compra de peças:

Este item pode ser considerado um capítulo a parte, onde os erros aqui cometidos refletem diretamente na produtividade operacional do veículo e na sua segurança.

Em primeira analise, em empresas com várias filiais é comum ouvirmos que o correto é centralizar o departamento de compras para economizar no preço, já que se compra em maior quantidade. Mas também ouvimos o oposto, onde o correto é descentralizar as compras para diminuir o tempo de parada de manutenção do veículo e quantidade de peças em estoque.

Ambas as situações estão corretas e devem ser aplicadas quando necessárias, ou seja, a decisão deve partir quando a operação e a sua necessidade de disponibilidade do veículo por ela for fator determinante.

8- Terceirização da manutenção:

A terceirização da manutenção quando vista pela empresa como uma forma de redução de custos pode ser errônea ao longo do tempo. Se o objetivo é exclusivamente esse, a terceirização pode afetar a qualidade do serviço consequentemente diminuindo a segurança.

9- Vistorias técnicas:

Órgãos reguladores do setor de transporte definem que toda empresa que possuir frota própria em que os veículos sejam movidos a óleo Diesel, deverão criar e adotar um Programa Interno de Autofiscalização da Correta Manutenção da Frota quanto a emissão de fumaça preta.

É aconselhável elaborar uma planilha que conste os vários itens a serem vistoriados, onde estes devem ter um peso pela sua importância na segurança e no final deve ser fornecida uma nota de 0 a 10 para cada veículo e para cada frota, seja por filial ou por empresa.

10- Errar na condução da gestão da manutenção:

Por fim, o maior de todos os erros é acreditar que na manutenção de sua frota existam espaços para que erros sejam cometidos. É regra geral que quando esta erra, ocorrem acidentes com vítimas e dependendo da gravidade, pode vir a trazer sérios problemas para a imagem e a credibilidade da companhia além do prejuízo financeiro.

COMMENTS