Trecho Sul do Rodoanel recebe mais caminhões que a rodovia Anchieta

Desde 1º de abril, o anel viário já foi utilizado por cerca de três milhões de veículos: 65% leves e 35% pesados. Via é boa notícia para o transporte, mas tem sido foco de ações de ladrões de cargas

Nikola e CNH se unem para fabricar caminhões movidos a células de combustível e bateria
Gigantes do caminhão elétrico unidas
Trânsito brasileiro mata mais que guerra entre Palestina e Israel

Com dois meses de funcionamento, o Trecho Sul do Rodoanel já recebeu quase três milhões de veículos sendo, em média, 65% leves e 35% pesados. Considerando apenas os dias úteis, o percentual de veículos pesados chega a 40%. Os dados são da Secretaria Estadual de Transportes. Este número de caminhões já é superior ao de algumas rodovias, como a Anchieta, onde 25,7% do tráfego consiste em veículos pesados, e o trecho entre São Paulo e Cordeirópolis da rodovia Anhanguera, onde 31% do tráfego é de caminhões e ônibus.

Além de proporcionar um fluxo rápido e seguro no escoamento da produção entre o interior e o litoral, a utilização do Rodoanel pelos caminhoneiros está garantindo gradualmente o impacto positivo no trânsito urbano dos grandes corredores da capital paulista. Um levantamento da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) constatou, em abril, um aumento da fluidez do trânsito de 42% na Avenida dos Bandeirantes em relação a março e de 34% na marginal do rio Pinheiros. Durante a tarde houve uma queda de 51% no número de caminhões na Bandeirantes e 33% na Pinheiros. A CET constatou, também em abril, uma queda de 28% da lentidão do tráfego em toda a capital paulista.

Ar mais puro

Com a melhoria do tráfego, houve também uma redução nos números da poluição. A Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) registrou uma queda de cerca de 20% no número de fuligem em maio de 2010 em relação a maio de 2009: 35 microgramas em 2010 contra 44 microgramas em 2009.

Concluído no final de março deste ano e liberado para operação em 1º de abril, o trecho Sul, junto com o trecho Oeste, interliga sete das dez principais rodovias de acesso a São Paulo: Régis Bittencourt, Raposo Tavares, Castello Branco, Anhanguera, Bandeirantes, Anchieta e Imigrantes. O anel viário também permite disciplinar o tráfego das cargas vindas do Sul do País com destino ao Mato Grosso do Sul e as do Centro-Oeste para o Porto de Santos, facilitando o fluxo de deslocamento das zonas Norte e Sul da Capital Paulista.

Opinião dos empresários

Um levantamento realizado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes de Cargas (NTC & Logística) revela a opinião de 234 empresas sobre o impacto operacional da utilização do trecho Sul do Rodoanel. De acordo com a pesquisa, 96,2% das empresas acreditam que o novo trecho do Rodoanel de São Paulo melhorou as operações de transporte. Utilizando o trecho Sul, os pesquisados economizaram aproximadamente 70 minutos, porém, com a utilização deste novo trajeto, os entrevistados alegaram rodar, em média, 20 km a mais.

O lado perigoso do Rodoanel

Em maio, empresários que operam no Trecho Sul do Rodoanel reclamaram às autoridades policiais o aumento das ocorrências de roubos de carga na via. Segundo os representantes das empresas, a reclamação é sempre a mesma: o caminhão trafega pela pista em velocidade normal e, ao ser atingido por uma pedra no vidro, pára e é abordado por bandidos. O presidente do SETCESP (Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região), Francisco Pelucio, disse antes de se licenciar do cargo que recebeu este alerta de diversos empresários e que solicitou publicamente, durante evento realizado pela entidade para debater o roubo de cargas, mais atenção das autoridades policiais no trajeto da estrada. Em 1º de junho, equipes das Polícias Civil e Militar realizaram blitze no local para tentar coibir os roubos.

Por: Victor José – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS