Transportadores esperam crescer até 10% em 2010, mas temem falta de infraestrutura

Pesquisa de entidade nacional com cerca de 400 empresas de transporte de cargas revela as perspectivas do setor para 2010. Transportadoras temem a falta de infraestrutura e maioria das empresas revela que realizará investimentos em frota durante o ano

Cargolift cresceu 40% em 2011
Produção da Librelato cresce 40% após investimentos nas unidades
Agrale espera crescer 10%, mesmo com retração do mercado

Um levantamento realizado pela NTC&Logística com 399 empresas dos setores de transporte de cargas e logística revela cautela dos empresários no ano de retomada após a crise internacional financeira. De acordo com o estudo, realizado pelo engenheiro de Transporte Antonio Lauro Valdívia, assessor Técnico da entidade, 41,6% das empresas responderam que 2009 foi pior do que o ano anterior e a grande maioria acha que a falta de investimentos em infraestrutura no Brasil poderá causar um apagão logístico em breve.

O estudo mostra que metade das empresas pesquisadas espera ter um crescimento entre 5% e 10% em 2010 e cerca de 45% das transportadoras farão investimentos em frota durante este ano.

Com relação ao valor do frete, 54,1% acreditam que ele deve ficar estável este ano, 36,8% que deve melhorar e 9,0% que vai piorar. Em resumo, o universo consultado de 399 respostas, indica que, em termos de serviços, o ano de 2009 não foi tão ruim como se esperava no seu início. Entretanto, economicamente, o setor sofreu bastante, principalmente quando se leva em consideração que o frete baixou e o volume de carga diminuiu.

O engenheiro conclui: “Não se pode negar que a crise poderia ter sido uma oportunidade para o mercado de transporte de carga tomar fôlego e se reestruturar, pois vinha em um ritmo forte em 2008. Contudo, com receio da crise, que se desencadeou no final de 2008, o efeito foi contrário. Boa parte das empresas do setor cortou os investimentos e algumas até se desestruturaram. Como conseqüência, já no final de 2009 houve alguns problemas na oferta de transporte”, diz o estudo publicado pela NTC&Logística.

Por Leonardo Helou Doca de Andrade – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS