Roubos de veículos caem 23% em Belo Horizonte

"A região Noroeste é a com maior incidência de roubos porque tem mais comércio, escolas e mais casas que não têm garagem. Além disso, é uma região com várias vias de acesso, o que facilita a fuga", explicou o delegado Ramon Sandoli de Aguiar Lisboa, titular da Delegacia Especializada de Investigações de Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DEIFVRA)

Governo do Pará apresenta projeto para remover os pedrais que atrapalham a hidrovia
MPF move ação para apurar irregularidades em obras no aeroporto de Congonhas
Hoje (28) é dia de pagar o 13º salário. Como está o caixa das empresas nessa época de crise?

O roubo de veículos, um dos crimes mais comuns em Belo Horizonte, teve queda de 23% no ano passado em relação a 2007. Segundo dados divulgados ontem pela Polícia Civil, foram registrados 5.962 furtos e roubos na capital em 2008, contra 7.801 casos em 2007. A grande maioria dos crimes (73%) é tipificada como furto, ou seja, a pessoa estaciona o carro e, quando chega ao local, ele não está mais lá. A região com maior índice de ocorrências é a Noroeste, com 1.242 casos (22%), seguida da região Sul, com 1.161 (21%), e Venda Nova com 719 (19%).

“A região Noroeste é a com maior incidência de roubos porque tem mais comércio, escolas e mais casas que não têm garagem. Além disso, é uma região com várias vias de acesso, o que facilita a fuga”, explicou o delegado Ramon Sandoli de Aguiar Lisboa, titular da Delegacia Especializada de Investigações de Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DEIFVRA). Uma grande surpresa foi a grande quantidade de roubos e furtos de veículos fabricados entre 1991 e 1999, que são os alvos preferenciais dos ladrões, ao contrário do que muita gente imagina. No ano passado, foram 2.152 ocorrências, o que corresponde a 36% do total.

A segunda preferência é por veículos de 2005 a 2008 (27%). A explicação para esse fenômeno, segundo o delegado, é simples. “Eles (os veículos fabricados entre 1991 e 1999) são roubados para desmanche, pois há muita procura por peças desses veículos nos ferros-velhos”, argumentou. Se por um lado, o número de veículos roubados diminuiu, por outro, o índice de veículos recuperados aumentou consideravelmente, passando de 818, em 2007, para 3.338 em 2008, aumento de 308%. “Os veículos recuperados agora passam pelo Pátio Seguro e a informação é registrada. Antes, podia acontecer de os policiais recuperarem algum veículo e repassá-lo para o dono sem comunicar o comando da Polícia Civil”, explicou Lisboa.

Bloqueadores – O governo federal começa, em 1° de agosto, a testar bloqueadores de veículos para tentar reduzir o índice de roubos de carros em todo o Brasil. A partir desta data, parte dos automóveis, motos e caminhões já sairá de fábrica com os equipamentos. Após os testes, o aparelho será obrigatório, como determina uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito do fim de 2008. A expectativa é que o bloqueador esteja disponível em 100% dos veículos novos em 2010.

Número – 862 veículos foram clonados em 2008, segundo balanço da polícia.

COMMENTS