Serviços registra alta de R$ 501 bi em 2006

O setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio respondeu por 29,9% da receita, gerando um total de R$ 149,7 bilhões em receita operacional líquida

TAP melhora resultados e Azul recebe aeronave
Porto do Recife abre proposta
Publicado cronograma para instalação de equipamento antifurto em veículos

Como tem acontecido nos últimos dois anos, as empresas prestadoras de serviços mantém crescimentos vertiginosos e tiveram receita operacional líquida de R$ 501,1 bilhões em 2006, segundo Pesquisa Anual de Serviços divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além disso, as empresas do setor ocuparam 8,125 mil pessoas e pagaram R$ 95,1 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações, de acordo com a pesquisa.

O setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio respondeu por 29,9% da receita, gerando um total de R$ 149,7 bilhões em receita operacional líquida (ganho da empresa após o pagamento dos impostos diretos, devoluções e abatimentos de vendas). Também destacaram-se na geração de ganhos os serviços de informação (28,7%) e serviços prestados às empresas (21,5%).

Grandes

A participação de empresas de grande porte cresceu no setor de serviço. Em 2006, elas representaram 54,7% do total. Quando o quesito é remuneração, os serviços de informação se destacam pelos melhores salários: apresentam o maior salário médio tanto para o total de empresas (6,3 salários mínimos), quanto entre as grandes empresas (9,4 salários mínimos).

Correios

Mesmo com a área de serviços dando saltos expressivos no mercado, a alta dos juros tem pressionado vários segmentos como o de transportes e fretes, por exemplo. No caso do Correios, hoje a empresa reajusta as tarifas de seus serviços postais e telegráficos, nacionais e internacionais, conforme portaria do Ministério das Comunicações publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

Com isso, os serviços telegráficos nacionais serão corrigidos, na média, em 10,6%. Já os internacionais, na média, 15,3%. O valor da carta não-comercial passa de R$ 0,60 para R$ 0,65, uma aumento de 8,3%. A tarifa da carta social, destinada à população de menor poder aquisitivo, não sofrerá reajuste e segue custando R$ 0,01. A carta comercial sobe de R$ 0,90 para R$ 1,00, alta de 11,1%.

COMMENTS