Têxteis ganham espaço para setor de logística

As empresas de logística anunciam novos negócios ao perseguirem o ritmo do setor têxtil e de confecção, que apesar do déficit recorde de US$ 1, 4 bilhão na balança comercial, chegou a um faturamento de US$ 43 bilhões no ano passado

ANTT diz que tinha autorizado colocação de vigas do Rodoanel
ANAC divulga Anuário Econômico com desempenho das empresas aéreas nacionais
“Passeio da safra” em rios do Amazonas é recorde nacional

Apesar da turbulência econômica internacional, as empresas de logística anunciam novos negócios ao perseguirem o ritmo do setor têxtil e de confecção, que apesar do déficit recorde de US$ 1, 4 bilhão na balança comercial, chegou a um faturamento de US$ 43 bilhões no ano passado, incre mento de 4%, em relação ao ano anterior, conforme dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit). É o caso do nacional Grupo Linx, que confirmou o fechamento de mais quatro contratos nas divisões de logística. Já na área do comércio internacional, a Federal Express espera aumentar sua atuação no setor na região do Rio de Janeiro, enquanto a concorrente UPS segue o mesmo caminho, e vê oportunidades no Rio, em São Paulo e no Sul do País.

“Essa é a segunda indústria mais importante, entre as que atendemos. Além disso, ainda há muito potencial de crescimento nela”, explicou Guilherme Gatti, diretor de Marketing para o Brasil e América Latina da FedEx.

O diretor contou que a empresa atende o setor como um todo, não apenas a área de confecção, sendo que os mercados mais fortes para as empresas estão no eixo Rio-São Paulo e no Sul do País. “O próprio mercado do Rio, por exemplo, tem ainda um bom espaço a ser explorado. Há também perspectivas na região de Petrópolis”, contou o executivo.

Não é a-toa que a FedEx, que atua por aqui na área de importação e exportação, aposta no mercado carioca. Dados de uma pesquisa do Sistema Firjan, revelam que após a crise, o Estado do Rio apresentou o melhor quarto trimestre dos últimos anos no envio de produtos de moda para fora do País, registrando avanço de mais de 20% em relação ao mesmo período de 2007. A cidade mencionada pelo diretor, aparece com crescimento de 33% nas vendas, em comparação com a coleção outono-inverno de 2007.

No quesito exportação de moda, a FedEx, que também mantém um programa de fomento a pequenas e médias empresas, estabelece uma conexão da produção brasileira e latino-americana com os Estados Unidos e a Europa. “O Brasil tem se posicionado cada vez melhor”, avaliou Gatti.

A FedEx atende empresas do setor como as nacionais Salinas e Fabíola Molina, que afirmou que a empresa de logística internacional foi o divisor de águas ao oferecer soluções para a entrada da marca em regiões como a Europa, África e países como os Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia a e Nova Caledônia. Internacionalmente, mantém como clientes Ashley Isham, de Londres e Rajesh Pratap Singh, da Índia.

Produto

Seguindo a trilha dos grandes polos de moda, a UPS revelou que o setor têxtil está entre os cinco principais setores em que atua. “Nossos principais mercados estão em São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais, onde vamos ampliar a operação este ano”, disse Kátia Tavares, gerente de Marketing para o Mercosul da UPS. A executiva contou, ainda, que a empresa já atua no Rio, mas que lá ainda há espaço para alavancar as operações.

Kátia contou que a corporação se especializou em soluções customizadas e com isso, garantiu clientes como a Iódice e a Carmim. “Para a Iódice, por exemplo, transportamos as peças para o New York Fashion Week”, afirmou, acrescentando que, entre os diferenciais, oferece embalagens e cabides especiais. Também é acompanhada toda a documentação necessária para o fluxo internacional das mercadorias, ação que beneficia diretamente pequenas e médias empresas.

Em relação às incertezas que pairam sobre a economia mundial, a gerente acredita que, apesar do cenário, o setor têxtil vem se destacando, ainda que as exportações tenham caído no ano passado. “O avanço das vendas no mercado interno podem de alguma maneira beneficiar o externo”, analisou.

A UPS vê uma rota forte para o segmento, entre o Mercosul, Estados Unidos e Europa. No mercado latino-americano, investiu mais de US$ 1 bilhão em tecnologia nos últimos 5 anos. A rede da entregadora expressa liga 251 países.

Nacional

O Grupo Linx, que tem como braços de negócios, a Linx Logística e a Linx Fast Fashion, de soluções de armazenamento e distribuição, informou que está prestes a revelar quatro novos contratos conquistados no setor de vestuário. “Entre as novas operações, teremos uma grande loja multimarcas, além de um cliente que comercializará roupas e acessórios via Internet”, falou Daniel Mayo, diretor da área de logística do Grupo Linx.

Os outros dois negócios são uma marca de moda masculina e outra de roupas para ambos os sexos. Segundo o diretor, parte dos clientes que fecharam com a Linx será revelada ao final deste mês. Mayo contou que o recebimento das peças, a conferência, o armazenamento e a entrega em cada ponto estão entre as atribuições da Linx para estas operações.As áreas de logística representam atualmente cerca de 30% das receitas da Linx, que tem a principal base no fornecimento de soluções de tecnologia da informação voltada a redes varejo, ao gerenciar mais de 10 mil pontos-de-venda.

A Linx Logística por exemplo, que desenvolve processos de automação nos centros distribuição dos clientes, cresceu mais de 100% em ganhos nos últimos dois anos. “Esses sistemas ajudam o cliente a reduzir custos e, para nós, garante oportunidades em meio à crise”, falou o diretor. Neste segmento, a Linx atende corporações como Riachuelo, Renner, Marisa e Pernambucanas, além de acabar de conquistar um projeto para a Le Lis Blanc.

Mesmo com a turbulência econômica, a empresas conseguiu, no ano passado, bater todas as metas de crescimento e, para 2009, quer manter o avanço global dos ganhos na casa dos 20%, mas pretende voltar a investir somente no segundo semestre. “Talvez não seja o ano de projetos grandes, mas sim de escopos menores”, previu o especialista de logística.

O grupo manteve a meta de chegar aos R$ 100 milhões em 2009. Para este ano, tem a expectativa de faturar R$ 80 milhões.

A moda brasileira e o varejo de vestuário ainda parecem atrair a atenção das empresas de logística, que buscam novos contratos para atender a cadeia têxtil no País e lá fora também.

Link para a matéria

COMMENTS