Infraestrutura atiça investidor estrangeiro, trem-bala à frente

Desta vez é a Coreia que entra eufórica em campo, ao apresentar as soluções tecnológicas de que dispõe para o trem de alta velocidade (TAV), o conhecido trem-bala que ligará São Paulo ao Rio de Janeiro

ALL aumenta lucro em trimestre atípico
Novo dono da Allison quer dobrar as vendas
Logística busca diversificar contratos em 2009

As obras de infraestrutura anunciadas no Brasil acendem cada vez mais o interesse de grupos estrangeiros, à medida que vão se tornando iminentes as licitações. Desta vez é a Coreia que entra eufórica em campo, ao apresentar as soluções tecnológicas de que dispõe para o trem de alta velocidade (TAV), o conhecido trem-bala que ligará São Paulo ao Rio de Janeiro, e ao sinalizar, ainda, que está de olho em oportunidades nos setores de portos, estaleiros e aeroportos – para este último, o País afirma deter a melhor tecnologia do mundo.

Em relação ao trem-bala, a disputa está mais acirrada, pois, segundo fontes ouvidas pelo DCI, o governo federal está prestes a publicar o escopo do projeto oficialmente, para que seja submetido às audiências públicas e logo em seguida, da vazão à licitação – uma corrida contra o tempo, já que a intenção é colocar o trem em atividade na Copa de 2014.

“Temos capacidade de concluir essas obras o mais rápido possível, podendo, sim, concluí-las até 2014”, propagandeou Jong Hwan Chung, ministro dos Transportes da Coréia, que está no Brasil com um grupo de empresários dos setores de construção, indústria, tecnologia ferroviária e gestão para recolher detalhes e se preparar para a disputa.

Os coreanos estão à procura de parceria com corporações brasileiras, para fortalecer seu futuro consórcio (as licitações devem ser internacionais, mas com a exigência de que os grupos contenham empresas nacionais) e vão dialogar, ainda, com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e com o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). O grupo conta com a consultoria local Trends Engenharia e Tecnologia, que está acompanhando o desenrolar do projeto do TAV Rio-São Paulo há três anos e deve ficar com as companhias coreanas, na formação de um grupo de trabalho.

Mas os coreanos não são os únicos a acelerar o processo de formação de uma frente para disputar o nosso trem-bala – eles compõem um grupo denominado Korea High Speed Rail Group for Brazil TAV (algo como grupo ferroviário coreano de alta velocidade para o Brasil) . Semana passada, foi a vez da Alston de liderar um grupo de franceses, entre eles do banco BNP Paribas e da Société Générale, que cumpriram o mesmo protocolo de conversar e fazer visitações, ao encontrarem autoridades e empresários brasileiros para se organizar em torno da iminente concorrência.

Outra companhia que deve se organizar é a alemã Siemens, declaradamente interessada no projeto, e que, como todas as outras corporações, quer agregar sua “transferência de tecnologia”, a exemplo dos trens de alta velocidade que implantou em outros países. Vale lembrar que recentemente quatro companhias japonesas, Mitsubishi, Mitsui, Kawasaki e Toshiba, estiveram no Brasil para conversar sobre o empreendimento e demonstrar o que podem agregar tecnologicamente de seu país.

Sigilo

Existem muitas especulações de como serão as regras da mais polêmica e badalada obra prevista pelo Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), sobretudo de como será montado o escopo dessa possível parceria público-privada (PPP), com a conta de quanto cada parte terá de tirar do bolso, até porque estima-se no setor que o valor projetado para a obra já tenha saltado de US$ 11 bilhões para mais de US$ 15 bilhões, de acordo com o relatório entregue pela consultoria inglesa Halcrow Group, que, em conjunto com as cariocas Sinergia e Balman Consultores Associados, venceu há mais de um ano a concorrência pública para realizar o estudo de viabilidade desse projeto no mercado brasileiro. O orçamento que o grupo teve para organizar o relatório foi de US$ 1,5 milhão.

O próprio Paulo Benites, presidente da Trends Engenharia (empresa que está ao lado dos coreanos), poupou comentários sobre o que virá no escopo do projeto para ser discutido em audiências com a iniciativa privada, ao colocar que um dos diferenciais da Coreia “é o foco tanto no transporte quanto no conjunto com seu entorno e possibilidades”, comentou.

O discurso da importância do entorno ao trem-bala já foi levantado por outros profissionais do setor, especialmente de equipamentos comerciais que podem ser fonte geradora de receita, para complementar o que será gerado pelos passageiros – estimados em 30 milhões por ano. (Fabíola Binas – DCI)

Link para a matéria

COMMENTS