Secretário americano isenta etanol para E-85

Segundo Gianetti, a idéia da proposta é conquistar o nicho do E-85 (85% etanol e 15% gasolina), embora ainda seja um mercado pequeno

Antaq quer revisar Plano Geral de Outorgas do setor portuário em 2010
Comissão aprova desoneração de biodiesel para consumo próprio
Exportações cearenses despencam quase 30%

Empresários brasileiros do departamento de comércio exterior da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) receberam a notícia, na noite de quarta-feira (dia 17), de que o etanol brasileiro a ser utilizado na mistura E-85, utilizada nos EUA, poderá entrar sem a cobrança de tarifa no mercado norte-americano. A notícia foi dada ontem pelo diretor do departamento da Fiesp, Roberto Gianetti da Fonseca, também dirigente da Abiec (entidade que reúne frigoríficos exportadores).

A comunicação foi feita à Fiesp pelo recém-nomeado secretário norte-americano de Agricultura, Tom Vilsack. Vilsack foi governador de Iowa, estado responsável por grande parte da produção agrícola dos EUA. Segundo Gianetti, a idéia da proposta é conquistar o nicho do E-85 (85% etanol e 15% gasolina), embora ainda seja um mercado pequeno. “Os brasileiros deixariam de exportar em janelas para gradualmente conquistar um nicho.”

O E-10 (10% etanol e 90% gasolina) ainda é a mistura mais utilizada no país. O E-85 seria comercializado, hoje, em menos de 100 bombas em todo os EUA, espalhadas pelo centro-oeste e parte da costa. “A notícia é boa, mas há de verificar o que vem a seguir. Por exemplo, se haverá incentivos fiscais para os misturadores do E-85. Para o E-10, há benefício de US$ 0,45 por galão. O E-85 não tem subsídio”, diz Tarcilo Rodrigues, diretor da Bioagência. “Ter mais uma bomba com outro produto é fazer investimento”. O consumo de gasolina nos EUA é de 500 bilhões de litros/ano; o E-10 é fatia de 6,7%.

COMMENTS