Prejuízo milionário no Porto de Itajaí

A partir do dia 5 de dezembro, o porto de Itajaí começou a operar com o serviço de cabotagem, isto é, levar contêineres de um porto a outro dentro da costa navegável do país

Tráfego aéreo internacional cai pelo 2º mês, diz IATA
Programa da Anac para evitar decolagens em situação irregular vigora em maio
SOS Mata Atlântica faz manifestação em favor do diesel limpo

Com o porto de Itajaí inoperante para navios de médio e grande porte, a economia brasileira pode ter deixado de movimentar US$ 35 milhões por dia – cifra que era transportada diariamente antes de a chuva atingir a estrutura portuária. Desde 21 de novembro, a barra de Itajaí foi fechada para entrada e saída de navios, o que gerou um prejuízo de US$ 490 milhões ao porto. As cargas foram remanejadas para Santos e Paranaguá.

O presidente do Sindicato dos despachantes e ajudantes aduaneiros de Santa Catarina, Marcello Petrelli, estima que 75% dos navios foram desviados para o porto de Santos e cerca de 20% para o porto de Paranaguá. Os 5% restantes desembarcaram em portos diversos, como o de Salvador. Os portos catarinenses de Navegantes e São Francisco não são os destinos principais.

A partir do dia 5 de dezembro, o porto de Itajaí começou a operar com o serviço de cabotagem, isto é, levar contêineres de um porto a outro dentro da costa navegável do país. O serviço não era realizado no cais comercial e opera em caráter temporário – foi a forma encontrada para amenizar os prejuízos.

As operações só se normalizam após obras de reparo e da realização de uma dragagem emergencial, já que 3,8 milhões de metros cúbicos de sedimentos trazidos pela chuva estão no canal. A profundidade do rio, que antes variava de 11 a 12 metros, oscila de 8 a 22 metros. Dessa forma, o canal fica muito fundo em alguns locais e raso em outros, o que prejudica o transporte de navios de grande porte. A dragagem visa a nivelar a profundidade nos sete quilômetros do canal.

No dia 6 de novembro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou a Medida Provisória 448 destinando R$ 350 milhões para as obras emergenciais de recuperação do Porto de Itajaí. Está sendo aguardada para esta semana a assinatura por parte do governo federal da ordem de serviço para a dragagem. Com a autorização, as obras se iniciam abrindo um canal emergencial para a operação de navios de médio porte. A previsão é de que eles comecem a operar dez dias após a dragagem. Já os de grande porte retornam à operação dentro de 60 ou de 80 dias, quando o canal estará em situação normal.

Além de modificar a profundidade do canal, a chuva destruiu um dos berços, construído em 1945. Segundo a assessoria de imprensa do porto, o complexo é base de 70% da economia de Itajaí, o maior exportador de carne frigorificada do país e responsável por 4% da balança comercial brasileira. É o único porto municipal do Brasil.

COMMENTS