Espírito Santo aprova lei que obriga reciclagem de vidros automotivos

Governador Paulo Hartung sancionou o Projeto de Lei na semana passada e empresas do Estado que trabalham com venda e instalação de vidros automotivos terão que destinar os produtos à reciclagem. Apenas 5% dos pára-brisas são reciclados no Brasil todos os anos

Queda nas vendas de veículos acirra concorrência em seguros
Porto de Santos contrata universidade para estudo de impacto do aprofundamento de canal
Gristec cria universidade online com curso de especialização para operadores de monitoramento

O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, sancionou na semana passada o Projeto de Lei nº 9.013/08, que obriga as empresas de vendas e reposição de vidros automotivos localizadas no Estado a reciclar os produtos.

Essa iniciativa, inédita no País, é encabeçada pelo presidente do Instituto Autoglass Socioambiental de Educação – IASE, Fernando Carreira, e pelo Deputado Estadual, Luciano Pereira, que têm como intuito transformar o projeto em lei de âmbito Federal.

Quando indagado sobre a importância do projeto de lei para a preservação do meio ambiente e, conseqüentemente, da sociedade, Carreira revelou que “no Brasil, são substituídos 1,5 milhão de pára-brisas por ano, o que equivale 22.500 toneladas. Destes, apenas 5% são reciclados. Se esses pára-brisas fossem alinhados lado a lado, formariam um tapete que se estenderia por uma distância 1.500 km”. E completa, “não podemos esquecer que não há estimativa de tempo para a decomposição do vidro, se jogado na natureza. Some a isso, o fato dos pára-brisas automotivos necessitarem de tecnologia específica para separar os produtos que o compõem (vidro + plástico), o que dificulta sua reciclagem”.

“Essa medida vem ao encontro  de uma série de movimentos em prol do meio ambiente, que tem ocorrido em todo o mundo. As atividades empresariais com foco no desenvolvimento sustentável estão cada vez mais presentes na sociedade global, devido à sua relevância para a população do planeta. Por isso, entidades, como o IASE, estão investindo em formas de se relacionar harmoniosamente com a comunidade ao seu redor, visando contribuir, de maneira sustentável, com a preservação social e ambiental”, declara Fernando Carreira.

COMMENTS