Resultado do rodízio de caminhões em SP é pior do que prefeitura esperava

Números da redução dos congestionamentos nos horários de pico do trânsito ficaram abaixo da previsão da prefeitura de São Paulo. Redução foi 11% em média e meta era de 20%

Direct Express espera um aumento de 50% nas entregas para o Natal
ALL calcula aporte de R$ 4 blhões na malha ferroviária até 2013
Opep reduz oferta pelo sexto mês

De acordo com reportagem publicada nesta quinta-feira, 2 de outubro, no jornal O Estado de São Paulo, os resultados esperados pela prefeitura de São Paulo com a implantação do rodízio de caminhões na cidade ficaram abaixo da meta esperada. Segundo os números divulgados pela Secretaria Municipal dos Transportes, no pico da manhã – às 7, 8, 9 e 10 horas – a redução média foi de 10% e à tarde – entre 17 e 20 horas – foi de 11%.

Na época do estabelecimento das regras do rodízio, o secretário Alexandre de Moraes afirmava que a administração municipal esperava uma redução entre 17% e 20%.

Em setembro deste ano, a média da lentidão do pico da manhã foi de 61,5 quilômetros, ante 68,5 km do segundo semestre do ano passado. À noite, os índices do mês passado apontam 101 km de lentidão, ante 113,5 de julho a dezembro de 2007. Quando analisada a média do dia inteiro, a queda foi de 17,5%.

Leia também: Entrevista com especialista Fernando Zerati: “Recebedor foi o que menos sofreu os impactos das restrições em SP”

Quando comparado com o mês de agosto, a redução foi de somente 3%. Segundo boletim divulgado na quarta pela SMT, “essa redução era prevista, pois à medida que o tempo passa, a tendência é uma maior adaptação por parte da população como um todo e das transportadoras de carga, em especial, às novas regras.”

Também foi divulgada uma comparação com as médias do primeiro semestre deste ano. Nesse caso, houve uma redução de 30% nos horários de pico da manhã e 16% à tarde.

Os dados indicam mais uma mudança nos padrões usados pela SMT para calcular a redução nos congestionamentos. Agora, o período relativo usado para efeitos de comparação é o segundo semestre do ano passado. Quando divulgou os dados de julho, por exemplo, o parâmetro foi o mesmo mês de 2007, o que mostrou uma redução de 17,7%.

COMMENTS