Em menos de seis meses, rodízio de caminhões em São Paulo será compensado

Os números do crescimento da frota paulistana apresentados pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran) mostram que a tarefa será quase impossível

Baixada busca soluções de infraestrutura para o pré-sal
Logística marítima terá aportes que ampliam movimentações
Petrobras pode reduzir preço de combustíveis se petróleo mantiver cotação atual

A Secretaria Municipal de Transportes de São Paulo promete retirar 20% da frota de caminhões de circulação com a ampliação do rodízio municipal de veículos para os caminhões, mas os números do crescimento da frota paulistana apresentados pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran) mostram que a tarefa será quase impossível.

Se seguida a tendência mostrada pelo Detran, o aumento de veículos (motos, ônibus, caminhonetes, automóveis, caminhões, ônibus, reboques e outros) em São Paulo deve compensar a redução prometida em menos de seis meses.

A frota de caminhões em São Paulo em julho era de 163.523 veículos, segundo o Detran, um aumento de 4.658 em relação ao número de janeiro deste ano. O rodízio quer diminuir em 20% a frota de julho, ou seja, 32.704 caminhões. O resultado é que, se seguida a tendência apontada pelos números do Detran, a redução de mais de 32 mil caminhões deverá ser compensada em menos de seis meses pelo aumento da frota paulistana.

Se for considerado apenas o aumento dos caminhões paulistanos – sem contar que grande parte das entregas vem de outros Estados – a promessa de redução seria compensada em pouco mais de sete meses, já que a frota aumentaria em 4.658 veículos a cada semestre.

Para o Sindicato das Empresas Transportadoras de Cargas de São Paulo e Região (Setcesp), além de não melhorar o trânsito, o consumidor vai pagar mais caro por causa da medida. Segundo o Setcesp, aumentou em 44% o custo operacional do transporte de cargas, que inclui, entre outros, a contratação de autônomos com carros de placas que podem circular, a compra de mini-vans e a entrega noturna. Este valor, de acordo com o sindicato, é repassado no custo final frete, que aumentou em média 15%.

Procurada pelo Último Segundo, a Secretaria de Transportes não se pronunciou sobre o assunto. (Amanda Demetrio – Último Segundo)

Link para a matéria

COMMENTS