Rastreadores modernos são vencidos por jammers utilizados por ladrões de carga

Aparelho de fácil acesso emite um sinal e bloqueia a comunicação entre o rastreador e o satélite, tornando impossível a localização do caminhão

Würth desenvolve dispositivo anti-furto de combustíveis para veículos pesados
Cobrança de pedágio de eixo suspenso em São Paulo continua em vigor
Mercedes-Benz investe R$ 450 mi em remodelação de fábrica em MG

Empresas de gerenciamento de risco e seguradoras vêm trabalhando intensamente em novos equipamentos com o intuito de frear a ação de ladrões cada vez mais preparados tecnologicamente. Apesar de terem evoluído bastante nesses últimos anos, os rastreadores de carga mais modernos continuam sendo desligados por jammers, aparelho bastante utilizado na prática do roubo.

Com preço acessível e fácil de ser encontrado em lojas especializadas em produtos eletrônicos, o jammer é uma espécie de rádio que emite um sinal e bloqueia a comunicação entre o rastreador e o satélite, tornando o caminhão “invisível” para as transportadoras.

“Não bastasse a eficácia crescente dos ladrões, que investem pesado em novas tecnologias, ainda enfrentamos o fato de que muitas empresas de transporte de carga cuidam mal de seu patrimônio. Quase metade dos rastreadores em operação hoje na frota brasileira de caminhões está obsoleta, o que aumenta os riscos do transporte, inclusive riscos relativos a acidentes”, explica Carlos Vadalá, integrante da Câmara de Gerenciamento de Riscos do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis de São Paulo.

Prejuízo milionário

Anualmente, perdas com roubo de cargas chegam a R$ 180 milhões no Brasil. Além disso, cerca de R$ 360 milhões são perdidos devido a acidentes envolvendo caminhões.

“As questões relacionadas a roubo e perda de cargas em função de acidentes só podem ser solucionadas se todos os grupos envolvidos nessa atividade atuarem em conjunto, como empresas, transportadores, gerenciadores de risco e seguradoras. Nós sabemos que os ladrões agem de modo integrado, inclusive envolvendo empregados de empresas que instalam equipamentos de monitoração”, alerta Vadalá.

COMMENTS