Brasil exporta sistema de detecção de vazamento em dutos

Software desenvolvido pela parceria USP/Asel-Tech é reconhecido internacionalmente. Equador, Chile e Arábia Saudita importam tecnologia

Sistema dutoviário passa a ligar Refinaria de Paulínia (SP) ao Terminal de Ribeirão Preto (SP)
Litoral Sul de São Paulo poderá ganhar novo acesso multimodal
Tuper fornecerá tubos de aço para construção de gasoduto em Santa Catarina

O Departamento de Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia da USP/São Carlos desenvolveu, em parceira com a empresa Asel-Tech, um sistema capaz de detectar vazamentos em dutos das empresas de petróleo. O software já é usado pela Petrobras, exportado para empresas do Equador, Chile, Arábia Saudita e também se prepara para atender o mercado norte-americano.

O desenvolvimento do software contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). A parceria Usp/Asel-Tech construiu um duto de 1,5 km para aperfeiçoar o sistema de detecção, que é baseado em tecnologia acústica e de balanço de massa, como esclarece o professor da USP responsável pelo projeto, Paulo Seleghim Júnior. “O duto tem sensores acústicos e de vazão que enviam sinais para o processador na sala de controle”, explica. Os sensores podem ser instalados a cada 30 km e as informações chegam em segundos ao operador do sistema, em qualquer lugar do mundo.

O Sistema de Detecção de Vazamento da Asel-Tech foi qualificado pela PRCI – Pipeline Research Council Internacional, entidade dos EUA, que funciona como órgão orientador de práticas de segurança para empresas de petróleo. Entre 40 tecnologias testadas, a brasileira está entre as duas aprovadas pela companhia americana. “Isso nos dá um grande respaldo para entrar no mercado norte-americano. No Brasil, são 15 mil quilômetros de dutos da Petrobras. Nos EUA são 600 mil quilômetros”, comenta Julio Alonso, diretor da Asel-Tech.

Por Marília Brandão – Portal Transporta Brasil

COMMENTS