Movimento do Porto de Santos registra recorde histórico em abril

Exportações foram responsáveis pelo bom desempenho, impulsionadas pela forte demanda de cargas agrícolas e derivados de petróleo

Famato receberá entidades para lançar Movimento Pró-Logística
Portos terão novo plano para 20 anos, afirma ministro
GOL inicia operação entre SP e Recife

A movimentação de cargas por meio do Porto de Santos em abril registrou recorde histórico para esse mês, atingindo o total de 6.801.268 toneladas e crescimento de 10,4% em relação a abril do ano passado. A marca contribuiu fortemente para ampliar o incremento no total acumulado no quadrimestre apontando aumento de 1,3% na comparação a igual período de 2008, conferindo também um novo recorde para o período.

As exportações foram responsáveis pelo desempenho positivo, impulsionadas pela forte demanda de embarques de cargas agrícolas e derivados de petróleo. Com participação de  73,24% no total de cargas movimentadas no período, as exportações tiveram aumento de 18,8% no quadrimestre, influenciadas pelo considerável  aumento de 24,1% em abril.

Açúcar, soja, café e milho, além de óleo diesel, gasolina e óleo combustível elevaram a exportação do quadrimestre, que alcançou patamar 18,8% acima do mesmo período de 2008. No comparativo mensal, índice de aumento ainda maior, com 24,1% em relação a abril do ano passado. Nas importações, apesar da queda na movimentação total, destaque para o crescimento do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), sal e trigo.

AÇÚCAR

O principal produto da pauta de exportações do Porto de Santos foi o açúcar, cujo movimento em abril superou em 113,2% o mesmo mês de 2008. No acumulado de 2009, 65,1% acima do período correspondente de 2008, ou seja, 1.507.046 toneladas a mais que no ano passado.

O incremento nas exportações do produto deveu-se, principalmente, à retração no mercado internacional do álcool, provocada pela crise econômica. Somado a isso, o açúcar brasileiro ganhou espaço com a quebra de safra ocorrida em países produtores como Índia, China e Austrália. Com a quebra, os preços internacionais do açúcar subiram, tornando-o mais rentável em relação ao álcool. Fatores ligados à produção também foram determinantes. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), houve aumento na área plantada, produtividade por hectare e produção em áreas como as regiões Centro-Oeste e Sudeste.

SOJA

O complexo soja (soma da soja em grãos e soja peletizada) totalizou 4.646.641 toneladas movimentadas nos primeiros quatro meses do ano, 23,5% acima do mesmo período de 2008. No comparativo mensal, abril último apresentou aumento de 22,6% em relação ao mês correspondente de 2008. Destaque do quadrimestre para a soja em grãos, com 4.139.295 toneladas movimentadas, 30,9% acima dos quatro primeiros meses de 2008. O mês de abril, com 1.710.563 toneladas, apresentou crescimento de 24,6% superior ao mês respectivo do ano passado.

O aumento da movimentação está ligado aos preços favoráveis da oleaginosa no mercado internacional, estimulados pela quebra de  safra na Argentina, terceiro fornecedor mundial de soja. Em matéria publicada no site “Portal do Agronegócio”, analistas do setor destacaram que “os preços mundiais da soja deverão ter nova alta entre maio e junho, à medida que novos números da safra 2008/2009 da Argentina ainda menor do que a projetada forem sendo confirmados”.

MILHO

Com um total de 865.580 toneladas de milho no primeiro quadrimestre do ano, o porto santista superou em 354,8% o mesmo período de 2008. No comparativo mensal, redução de 82,8% em relação ao mês de abril do ano passado. Apesar da queda, a tendência é de crescimento das exportações.

Segundo analistas do setor reunidos no I Fórum Internacional da Economia do Milho, realizado em abril último em Brasília, “entre os principais produtores de milho mundiais, o Brasil é o que apresenta as melhores condições de aumentar as exportações e, consequentemente, sua participação no abastecimento internacional do grão”.

A expansão das exportações de milho é atribuída aos problemas enfrentados pelos principais produtores mundiais, como os Estados Unidos, onde não há área disponível para aumento da produção e a China, que não só consome a produção como já começa a importar o produto. A Argentina também deve sofrer com a estagnação da área plantada e a opção dos produtores pelo plantio da soja.

No caso específico da China, analistas acreditam que o aumento das exportações brasileiras deve-se à possível formação de estoques por parte daquele país, cujo objetivo seria proteger-se da alta de preços do mercado internacional. Além disso, o governo chinês está incrementando um pacote de estímulo à economia. Para os economistas, é difícil prever qual será o resultado da iniciativa, entretanto, a estratégia já apresenta reflexos nas exportações.

Números parciais de maio divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) indicam retração nas exportações brasileiras para a China. O fato é apontado pelos especialistas como um indício da normalização dos estoques do país oriental e, consequentemente, de uma possível redução das exportações brasileiras.

ATRACAÇÃO DE NAVIOS

O número de navios atracados no complexo portuário santista continua em recuperação. Em abril último foram 479 embarcações, número 7,9% superior às 444 verificadas em março. No acumulado do quadrimestre, 1.926 navios, 1,8% acima do mesmo período de 2008. Destaque para o longo curso, com aumento do número de navios transportando carga geral, granéis sólidos e granéis líquidos, totalizando 415 unidades. Na cabotagem, decréscimo de 104 navios em março para 64 em abril último.

Em abril, o Porto de Santos recebeu os últimos navios de passageiros da temporada, iniciada em novembro do ano passado. Foram 359.156 passageiros embarcados em um período de seis meses. O total superou em 31% o registrado na temporada anterior (2007/2008), quando embarcaram 274.335 passageiros.

VEÍCULOS

O primeiro quadrimestre do ano apresentou crescimento de 10,3% na importação de veículos. Foram 8.655 unidades nos quatro primeiros meses do ano contra 7.845 no mesmo período do ano anterior. Em abril último, chegaram ao porto santista 1.220 veículos, número 47,6% menor que o mês correspondente de 2008. Na exportação acumulada, redução de 41,6% (44.578 em 2009 contra 76.332 em 2008), enquanto o embarque mensal decresceu 44,1% (11.503 em 2009 contra 20.589 em 2008).

CONTÊINERES

A crise mundial afetou os contêineres tanto na exportação quanto na importação. No comparativo mensal, abril último registrou 109.630 unidades (169.244 TEU’s) contra 130.543 unidades (199.393 TEU’s) em abril de 2008, queda de 16%. Na tonelagem transportada em contêineres, declínio de 14,8%, com 1.874.466 em 2009 contra 2.200.008 em 2008.

No acumulado dos quatro primeiros meses do ano, os contêineres apresentaram queda ainda maior. Em unidades, redução de 20% (425.870 no último quadrimestre e 532.530 no mesmo período de 2008); 20,1% em TEU’s (652.186 em 2009 e 816.166 em 2008) e 22% em tonelagem (7.066.891 no corrente ano e 9.062.981 no ano passado).

BALANÇA COMERCIAL

Santos lidera com folga o ranking das principais participações dos portos brasileiros na Balança Comercial do país. Nos quatro primeiros meses de 2009, o complexo portuário santista atingiu US$ 22,1 bilhões, correspondente a 27,6% do total brasileiro de US$ 80,3 bilhões. Somados, os quatro seguintes  – Vitória (ES), Paranaguá (PR), Itaguaí (RJ) e, Rio de Janeiro (RJ) – atingem US$ 19,4 bilhões.

Embarcaram pelo Porto de Santos US$ 11,9 bilhões nos quatro primeiros meses do ano, 27,2% do total brasileiro, superando com larga margem os portos de Vitória (ES), US$ 4,4 bilhões, e Paranaguá (PR), US$ 3,7 bilhões. Nas importações, o Porto de Santos totalizou US$ 10,3 bilhões, correspondente a 27,9% do montante nacional. O valor equivale à soma dos sete portos relacionados na sequência do porto santista: Vitória (ES), Rio de Janeiro (RJ), Paranaguá (PR), Itaguaí (RJ), Rio Grande (RS), São Francisco (SC) e Manaus (AM).

PRINCIPAIS DESTINOS

Do total de US$ 11.853.390 mil exportados pelo Porto de Santos entre janeiro e abril deste ano, os principais parceiros comerciais continuam sendo os Estados Unidos (US$ 1.379.176 mil), China (US$ 1.081.989 mil) e a Argentina (US$ 633.263 mil). Nas importações, um total de US$ 10.273.272 mil, incluindo, entre os principais países de origem, os Estados Unidos (US$ 1.990.041 mil), seguido da China (US$ 1.455.799 mil) e Alemanha (US$ 1.044.040 mil).

PRINCIPAIS CARGAS

Quanto ao valor, o ranking das principais cargas exportadas pelo Porto de Santos no primeiro quadrimestre de 2009 apresenta como destaques os “outros grãos de soja, mesmo triturados”, (US$ 1.173.450 mil), escoada principalmente para a China (US$ 812.327 mil); Espanha (US$ 115.790 mil); e Países Baixos (US$ 71.024 mil). Em segundo lugar, o “café não torrado, não descafeinado, em grão”, cujo total chegou a US$ 896.454 mil e os principais destinos foram  Alemanha, Estados Unidos e Itália.

O “açúcar de cana, em bruto”, com um total de US$ 815.324 mil aparece em terceiro lugar no ranking, cujo principal destino foi a Índia (US$ 132.696 mil); seguido das “carnes desossadas de bovino, congeladas”, total de US$ 587.137 mil, principalmente para a Rússia (US$ 193.492 mil); e os “outros açúcares de cana, beterraba, sacarose quim. pura sol.”, com US$ 391.328 mil, tendo como principal destino a Arábia Saudita (US$ 94.169 mil).

Nas importações, lidera o ranking das principais mercadorias as “outras partes p/aviões ou helicópteros” (total de US$ 287.162 mil), cujas origens principais são os Estados Unidos (US$ 128.152 mil), Espanha (US$ 84.961 mil) e Japão (US$ 35.668 mil); seguido dos “automóveis c/motor explosão” (US$ 162.768 mil), vindos principalmente do México (US$ 139.913 mil), Alemanha (US$ 12.793 mil) e Japão (US$ 4.693 mil).

Em terceiro lugar no ranking aparece a “hulha betuminosa, não aglomerada” (total de US$ 140.901 mil), originária em maior quantidade dos Estados Unidos (US$ 85.397 mil). Logo após, o ranking relaciona o trigo (US$ 118.941 mil), principalmente da Argentina (US$ 103.548 mil); e as “outras partes e acess. p/tratores e veículos automóveis” (US$ 112.972 mil), em especial da Alemanha (US$ 28.448 mil).

COMMENTS